Melo – Uma alternativa fiável

Joaquim Alberto Castanheira de Melo nasceu a 11 de Setembro de 1949 em Coimbra. No União e na Académica fez a sua “formação”, entrando nos seniores pelo União, na 3ª divisão, mas subindo ao 1º escalão em apenas 4 anos. Em 1973 mudou-se para o Belenenses e em 1977 para o Vitória de Guimarães – em ambos os clubes ganhou o estatuto de ser considerado um dos melhores guarda-redes do nosso país.

Chegou ao Sporting no defeso de 1981 proveniente do Vitória de Guimarães e ao mesmo tempo de Meszaros, considerado na altura um dos melhores do mundo. Sendo assim, a aposta sportinguista em Melo tinha a ver com a necessidade de ter um suplente fiável (para além de Fidalgo), que pudesse dar confiança em caso de ausência do húngaro.

Nessa 1ª temporada em Alvalade, sob a orientação de Malcolm Allison, jogou apenas duas vezes, tendo-se estreado de “leão ao peito” a 29 de Novembro num triunfo em Leiria (para o Campeonato) por 2-0. No final os leões conquistaram a tão ambicionada “dobradinha”.

Na temporada seguinte o “filme” repetiu-se (em termos de prioridades para a baliza) embora os treinadores fossem outros (António Oliveira primeiro, Marinho Mateus no entretanto e Jozef Venglos na parte final). Coletivamente só se ganhou a Supertaça e Melo somou 4 presenças.

Ainda “encantados” pelas prestações de Meszaros (entretanto saído), os responsáveis leoninos contrataram outro húngaro – Katzirz para a sua baliza no início de 1983/84, que, no entanto, não tinha a categoria do compatriota.  Apesar disso, e embora tenha jogado um pouco mais, Melo acumulou somente 8 presenças, a última das quais a 31 de Dezembro de 1983 num triunfo por 5-1 em Portalegre frente ao Estrela para a Taça de Portugal.

Assim, totalizou 3 temporadas ao serviço do Sporting, realizando 13 jogos oficiais e sofrendo 12 golos. Ganhou 1 Campeonato Nacional, uma Taça de Portugal e uma Supertaça. Foi uma vez internacional B (na altura em que jogava em Guimarães).

Foi um guarda-redes ágil, que dava confiança pela sua segurança entre e fora dos postes.

Depois de Alvalade voltou a Belém (onde permaneceu apenas 1 ano). Mais tarde jogou no União da Madeira (1 ano) e em 1986 assentou arraiais no Estrela da Amadora onde “criou raízes” e ganhou a Taça de Portugal em 1990 (feito histórico para os homens da Reboleira).

Em 1991 terminou na Amadora uma carreira muito preenchida mas continuou ligado ao futebol como treinador de guarda-redes. Aí passou por clubes como o Belenenses e União de Leiria, entre outros de menor nomeada.

Atualmente continua a alinhar pelos veteranos do Sporting e faz aparições como comentador no canal de televisão do clube.

vídeo Sporting Memória

Post to Twitter

Deixe o seu comentário