Daniel Carriço – Espírito de liderança

Daniel Filipe Martins Carriço nasceu a 4 de Agosto de 1988 em Cascais. Ainda muito jovem foi recrutado pelo Sporting ao Estoril, e rapidamente ganhou protagonismo nas camadas jovens leoninas onde, devido ao seu espírito liderança foi capitão em todos os escalões, o mesmo acontecendo nas seleções nacionais.

Campeão em todos os escalões jovens, foi “rodar” para o Olhanense na passagem para sénior, passando depois para o Chipre (AEL).

Para 2008/09 fez parte pela 1ª vez do plantel sénior e Paulo Bento lançou-o a 26 de Outubro numa deslocação a Paços de Ferreira para o Campeonato (0-0). Beneficiando duma lesão grave de Tonel, fez a partir de certa altura da temporada dupla habitual com Anderson Polga no eixo da defesa e saiu-se muito bem, mostrando ser um central inteligente, com garra e bom posicionamento, com o senão apenas de não ser muito alto. Acabou a temporada com 28 presenças e como uma grande promessa futura.

Na temporada seguinte, apesar da má prestação colectiva, foi positiva a sua prestação em termos individuais. Um certo abaixamento de forma de Polga fez dele normalmente titular (ao lado de Tonel) a ponto de ser um dos futebolistas mais utilizados da equipa (44 jogos). Marcou também pela 1ª vez, a 21 de Setembro de 2009, numa emocionante receção ao Olhanense na qual os leões estiveram a perder por duas bolas de diferença e acabaram por triunfar (3-2).

Os treinadores iam passando (Paulo Bento, Carlos Carvalhal, Paulo Sérgio…) e Carriço ia-se mantendo titular apesar de não se consensual entre os sportinguistas. Em 2010/11 fez habitual parelha com Polga e chegou também a capitão da equipa. Fez 39 jogos (de novo o central mais utilizado da equipa) e marcou 1 golo (na goleada – 5-0 – em Alvalade ao Levski Sofia para a Liga Europa).

Para 2011/12 Godinho Lopes promoveu uma revolução na equipa. Vários defesas-centrais foram contratados (Onyewu, Rodríguez, Xandão) e Daniel Carriço começou a ser utilizado com alguma frequência na posição 6 (após uma grave lesão de Rinaudo) onde, diga-se, se saiu quase sempre bem. Prova disso são os 39 jogos efectuados (tanto com Domingos como com Sá Pinto jogou muitas vezes).

2012/13 foi a sua última época na equipa (mais uma vez muito remodelada). Ainda jogou na parte inicial (fê-lo pela última vez a 20 de Setembro de 2012 numa receção ao FC Basel – 0-0 – para a Liga Europa) e acabou por sair no “mercado de Inverno” para o Reading por cerca de 750.000,00€…

Assim, totalizou 5 temporadas, 153 jogos oficiais e 5 golos (o último dos quais a 11 de Janeiro de 2012 em Varsóvia frente ao Legia – 2-2 – na estreia do treinador Ricardo Sá Pinto) na equipa principal verde e branca. Fez parte do plantel que ganhou 1 Supertaça.

Em Alvalade deixou a imagem dum jovem com personalidade, espírito de liderança e empenho. Sem ter as condições físicas ideais para ser um central de top, é sem dúvida um futebolista de boa qualidade que tem construído uma carreira notória.

No final da época 2012/13 o Reading desceu de divisão, e também por isso foi emprestado ao Sevilha de Espanha onde está atualmente, tendo-se destacado já na conquista das Liga Europa de 2014, 2015 e 2016! Já chegou também a internacional A.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário