2000 – Campeões Europeus de Atletismo em pista

27 de Maio de 2000. Na Taça dos Campeões Europeus de Pista, contra todas as expetativas, o Sporting sagrou-se Campeão da Europa em masculinos, levando a melhor sobre os russos do Lutch que representavam praticamente a seleção do seu país.

Vítor Costa (Martelo), Jonas Mattes (Altura), Fernando Alves (Peso e Disco), Carlos Silva (400m barreiras e 4X400m), Francis Obikwelu (100m, 4X100m e 200m), Carlos Calado (Comprimento, 4X100m e Triplo-Salto), Rui Silva (1.500m e 3.000m), Vítor Jorge (400m, 4X100m e 4X400m), Hélder Ornelas (5.000m), Sylvester Omodiale (4X100m e 4X400m), João André (Vara), Rui Palma (110m barreiras), João Pires (800m e 4X400m), Vítor Almeida (3.000m obstáculos) e Filipe Ventura (Dardo) foram os grandes heróis de uma conquista transcendente.

Este triunfo foi histórico para a equipa do Sporting. Só na última das 20 provas, os 4X400 metros, se soube que o Sporting seria campeão depois de um incrível despique com a equipa russa, que bateu por meio ponto (105,5 contra 105!).

Na última prova, a equipa formada por Carlos Silva, João Pires, Sylvester Omodiale e Vítor Jorge conseguiu o 3º lugar, enquanto os russos se ficaram pelo 2º a 6 centésimos dos checos do Dukla de Praga.

Os triunfos individuais: 100m – Francis Obikwelu – 10,23s; 200m – Francis Obikwelu – 20,62s; 4X100m – Sylvester Omodiale, Francis Obikwelu, Vítor Jorge e Carlos Calado – 39,31s; 800m – João Pires – 1m48,10s; 1.500m – Rui Silva – 3m39,82s; 3.000m – Rui Silva – 8m29,99s; e 5.000m – Hélder Ornelas – 13m36,68s.

Comovente foi o choro compulsivo de Francis Obikwelu no final, abraçado a Valentina Fedyushina. Talvez por isso mesmo foi o atleta que recebeu a Taça. No final, referiu: “A prova de 100 metros não foi normal porque quando estava na partida fiquei a saber que o melhor tempo da competição era 10,19s e fiquei com algum nervoso. Mesmo assim fiquei satisfeito com os 10,23s até porque o vento estava contra. Talvez esperasse fazer melhor, mas estou mais à vontade nos 200 metros onde devo estar a 85%. Venci e com isso também ganhou o Sporting, o que é muito bom”.

Muito emocionado, Moniz Pereira viveu intensamente esta conquista. Levado em ombros, não cabia em si de contente: “Este triunfo é fruto de muito trabalho, muita dedicação dos atletas, muita competência dos treinadores e muita ajuda do Sporting. Aqui não há milagres. Confesso que ficar em 2º lugar era o meu prognóstico. Foi um triunfo muito saboroso, mais difícil que as vitórias europeias no Crosse pois aí tudo se decidia numa prova só, e aqui é em 20…

Dias depois foi feito um jantar de homenagem aos campeões europeus de Vila Real de Santo António. Na ocasião o presidente José Roquette afirmou: “O que aconteceu não foi por acaso, representa uma caminhada segura, empenhada e rigorosa de um grupo de pessoas lideradas pelo nosso querido prof. Moniz Pereira. Foi atingido um dos pontos mais altos da História do Sporting”.

Nas senhoras a manutenção foi conseguida com dificuldades, numa prova que não correu nada bem. Ana Dias e Valentina Fedyushina com segundos lugares nos 5.000 metros e no lançamento do peso acabaram por ser decisivas.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário