Van Wolfswinkel – O “lobo” goleador

Ricky Van Wolfswinkel nasceu a 27 de Janeiro de 1989 em Woudenberg – Holanda. Como geralmente acontece, começou no clube da sua terra – o modesto V.V. Woudenberg, mas pouco depois entrou para as escolas do Vitesse, completando a sua formação neste clube e no AGOVV, tendo chegado às seleções jovens do seu país.

Foi no Vitesse que começou o seu percurso senior, tendo chegado ao Sporting no Verão de 2011 (por 5,4 milhões de euros) proveniente do Ultrecht onde fizera 39 golos em duas temporadas e chegara à seleção laranja.

Estreou-se oficialmente (com o treinador Domingos Paciência) a 21 de Agosto de 2011 num Beira-Mar-Sporting (0-0) da 2ª jornada do Campeonato Nacional no qual falhou vários golos… Marcou pela 1ª vez a 10 de Setembro, em Paços de Ferreira (triunfo por 3-2) numa partida em que os leões perdiam por dois golos a 15 minutos do fim, e no qual apontou o golo da vitória.

A partir daí “tomou-lhe” o gosto, partindo para uma temporada em que atingiu números muito interessantes, com 25 golos oficiais (em 47 partidas) alguns dos quais ficaram na memória de todos – como um fantástico de calcanhar frente à Lazio para a Liga Europa, outro em Manchester que muito contribuiu para eliminar os milionários do City da mesma competição e outro ainda em Alvalade frente ao Benfica que derrotou os grandes rivais.

Infelizmente os títulos coletivos não apareceram, mas na temporada seguinte manteve-se em Alvalade e o seu nível não baixou significativamente, tendo alcançado 20 golos em 41 partidas naquela que foi a pior temporada da História futebolística do clube (terminou o Campeonato em 7º).

Bem antes do final da época foi tornada pública a sua saída para o Norwich City da Inglaterra (ao que se disse com o objetivo de pagar ordenados em atraso, numa fase em que o presidente Godinho Lopes já era tremendamente contestado e o clube andava à deriva), e paradoxalmente (ou não) o seu rendimento até subiu. O grande momento da temporada viveu-o em Braga (1 de Abril de 2013), no 1º “dia futebolístico” do novo presidente Bruno de Carvalho, e no qual marcou os 3 golos num triunfo por 3-2 para o Campeonato.

Marcou pela última vez (bisou) a 19 de Maio de 2013 na partida derradeira que realizou, na última jornada do Campeonato. Tal como quando se tinha estreado defrontou o Beira-Mar, mas desta vez os leões venceram por 4-1.

Foi nas duas temporadas em que alinhou de verde e branco o melhor marcador da equipa, tornando-se um digno sucessor de Acosta, Jardel ou Liedson (os que o antecederam que conseguiram pelo menos bisar nesse “título”). Ainda assim não foi consensual em Alvalade – às vezes enervava de falhar golos tão “fáceis” e outras vezes marcava golaços inimagináveis. Sempre pareceu faltar-lhe algum “nervo”, alguma raça, qualidades que se fizessem claramente parte do seu ADN o poderiam ter tornado um futebolista extraordinário. Totalizou 88 jogos oficiais e 45 golos.

Chamavam-lhe “Ice man” pelo seu aspeto esguio, tipicamente nórdico. Também era apelidado de “lobo” por analogia com o seu nome.

Apesar de ter passado pelo clube numa fase muito má, e de naturalmente ser corresponsável por isso mesmo, foi ainda assim um futebolista que deixou bons créditos nas duas temporadas em que jogou de verde e branco.

No Norwich City foi um flop total (1 golo em 27 jogos e descida de divisão) sendo emprestado em 2014/15 ao Saint-Étienne de França onde, sem estar brilhante, melhorou ainda assim um pouco (9 golos em 39 jogos). No ano seguinte regressou ao Norwich, mas rapidamente foi emprestado ao Bétis de Sevilha. Esta temporada regressou às origens e representa o Vitesse.

GOLOS de VAN WOLFSWINKEL ao serviço do SPORTING
ÉPOCA LE CN TP TL TOTAL
2011/12 6 14 5 0 25
2012/13 3 14 1 2 20
Total 9 28 6 2 45

Post to Twitter

Deixe o seu comentário