1994 – O 14º (e mais recente) título europeu de Crosse

6 de Fevereiro de 1994. Com a conquista do seu 14º título coletivo (o último até à data) e 5º individual de Domingos Castro, em Amorebieta, o Sporting continuou a deter todos os recordes da mais prestigiada competição de Crosse da Europa.

O grande momento da prova ocorreu quando Carlos Monteiro entrou a todo o vapor na reta final ultrapassando os 2 espanhóis que seguiam perto. Graças a essas duas ultrapassagens o Sporting venceu, numa prova em que Domingos Castro esteve igual a ele próprio, na qual Ezequiel Canário provou mais uma vez ser um homem com quem a equipa poderia sempre contar, e na qual João Junqueira fechou a equipa.

Até metade da corrida foram os espanhóis a liderar, mas por essa altura Domingos Castro “foi-se embora” e a correlação de forças começou a equilibrar-se. Entretanto Canário foi-se fixando num importante 5º lugar. À entrada para a última volta, com várias posições praticamente definidas, tudo dependia daquilo que Carlos Monteiro conseguisse fazer face aos 2 adversários espanhóis com quem lutava num terreno cada vez mais enlameado e pesado que obrigava a um esforço enorme.

Para Bernardo Manuel, técnico leonino: “As dificuldades aumentaram face a anos anteriores e a nossa vitória chegou a estar seriamente em dúvida. Quando Domingos se isolou e o Canário se fixou no 5º lugar comecei a ver as coisas como mais possíveis, e a excelente ponta final do Carlos Monteiro acabou por resolver a situação a nosso favor. Foi uma vitória certa, mas há que ter em atenção que o valor dos adversários europeus aumenta de ano para ano”.

Para o brilhante vencedor, Domingos Castro: “O principal objetivo era que o Sporting continuasse como campeão europeu, e estou satisfeito porque o conseguimos, mais até do que por ter triunfado individualmente. Apesar do mau estado do terreno preparei a tática com todo o cuidado e na altura certa consegui dar o safanão necessário para ver como paravam as modas. Ninguém reagiu e mantive o andamento para chegar em 1º. Sou o recordista de vitórias individuais, tal como o Sporting é de coletivas, pelo que estamos orgulhosos e penso que os sócios do Sporting têm motivos de sobra para continuarem a acreditar em nós, os atletas do Sporting”.

Na classificação individual: 1º Domingos Castro, 5º Ezequiel Canário, 6º Carlos Monteiro, 10º João Junqueira, 11º Eduardo Henriques, 13º Alberto Maravilha. Na classificação coletiva: 1º Sporting 22p, 2º Reebok 28p, 3º Marignanais 49p.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário