2016 – 5ª Taça de Portugal para o Futsal!

8 de Maio de 2016. O Futsal do Sporting CP conquistou a sua 5ª Taça de Portugal ao bater o Benfica por 4-2 no derradeiro jogo da prova, disputado no Pavilhão Municipal da Póvoa de Varzim. Miguel Ângelo, João Matos, Cavinato e Fortino assinaram os golos com que os leões superaram o rival encarnado.

O encontro começou equilibrado, com ambas as equipas a tentarem assentar o seu jogo nos minutos iniciais da partida e o Sporting CP a apresentar uma equipa pressionante, de pendor ofensivo, com Miguel Ângelo, Diogo e Fortino a acompanharem Caio e Marcão no 5 inicial. Uma recuperação de bola no meio-campo defensivo leonino permitiu a Fortino sair isolado em direção à baliza adversária, onde, frente a Juanjo, atirou ao lado. O Benfica respondeu por Patias, que obrigou Marcão a defender bem para canto, antes de Fernando assustar o guardião leonino com um desvio ao lado.

A zona central dos encarnados parecia permeável e Fortino, de primeira, disferiu um grande tiro, que só parou com um estrondo no poste direito de Juanjo. Caio voltou a ameaçar, assim como Merlim, mas o espanhol mostrou-se à altura e manteve o nulo no resultado. À semelhança de tantos outros derbis, o Sporting CP pressionava alto, com linhas bem subidas e a jogar a bola de pé para pé, como mais ninguém em Portugal; por outro lado, o Benfica apostava em bolas longas, caraterística típica do seu jogo. Cavinato, primeiro de cabeça e depois de fora da área, obrigou Juanjo a manter o nível de trabalho elevado, nesta metade inicial da 1ª parte; na resposta, Fábio Cecílio, numa transição rápida, atirou ao lado da baliza de Marcão.

O Sporting CP pressionava, empurrava o rival para trás e continuava a ameaçar: Djô, com um excelente trabalho individual sobre dois adversários, desenvencilhou-se da concorrência e atirou para boa defesa de Juanjo, seguido por Fortino, que obrigou o espanhol a mais uma grande intervenção, defendendo para canto. Na sequência da bola parada, Djô cabeceou à trave, com a bola a bater na linha de golo e a sair, aumentando a série de oportunidades para os leões.

Enquanto do lado encarnado, perante a falta de qualidade na quadra, as bancadas pediam coisas menos dignas do espetáculo da Taça de Portugal  (“Queremos porrada”, entoava a claque afeta ao Benfica), do lado verde e branco o foco era outro e o primeiro objetivo era atingido: roubo de bola de Miguel Ângelo sobre Chaguinha, com o leão a tirar Juanjo do caminho e a empurrar para o fundo das redes, inaugurando o marcador e colocando o Sporting CP a vencer por 1-0. Os encarnados tentaram, de imediato, reagir, mas o remate de Patias, na sequência dum livre direto, passou perto do poste direito de Marcão. Por esta altura, o Benfica tentava subir no terreno em busca do empate, mas o processo defensivo dos leões estava bem consolidado e a ameaça encarnada era praticamente inexistente.

Nuno Dias tinha referido, na conferência de imprensa após a vitória do dia anterior sobre o Olivais, que os leões precisavam de melhorar a eficácia porque a criação de oportunidades já lá estava; dito e feito: na sequência dum pontapé de canto, a bola chegou a Diogo, que atirou cruzado para o desvio certeiro do capitão João Matos, que atirou para o fundo das redes e colocou o Sporting CP a vencer por 2-0, anulando, da melhor forma, a tentativa de resposta do rival. Com 2 golos de vantagem, as melhores oportunidades continuavam a pertencer ao conjunto de Nuno Dias, e Merlim, após um roubo de bola, virou bem, mas atirou ao lado do alvo, ameaçando o 3º dos leões. O Sporting CP estava melhor na partida e assim chegou até ao intervalo, com os encarnados a nunca conseguirem assustar os comandados de Nuno Dias durante toda a 1ª parte.

Se os leões saíram para o descanso por cima no jogo, assim se mantiveram no início da 2ª parte, com Diogo a deixar logo o primeiro aviso e a pressão verde e branca a surtir efeito – o Benfica não se aproximou da baliza de Marcão até ao 4º minuto do reatamento e, mesmo aí, a bola “morreu” sem problemas nas mãos do guardião leonino. Por essa altura, já Caio tinha aparecido na cara de Juanjo e permitido a defesa ao espanhol e Merlim atirado à malha lateral da baliza encarnada, enquanto o Benfica continuava a acumular faltas e somava já 3 infrações no espaço de 4 minutos. Empurrados por uma Onda Verde que pedia golos em vez de “porrada”, os comandados de Nuno Dias eram donos e senhores do jogo, que se desenrolava quase por completo no meio-campo defensivo do adversário. Aí, Diogo, por duas vezes, ficou perto do 3-0, mas primeiro Juanjo e depois a direção pouco certeira impediram o brasileiro de inscrever o seu nome na lista de marcadores. Os leões procuravam dar aos seus adeptos aquilo que eles pediam e Miguel Ângelo ficou perto de bisar, mas Juanjo esteve à altura;

Contra a corrente do jogo e sem nada o fazer prever, o Benfica conseguiu reduzir no seu primeiro remate do 2º tempo, já com 7 minutos jogados, por intermédio de Gonçalo Alves, que comemorou efusivamente… junto dos adeptos do Sporting CP. O Sporting CP continuou com a mesma toada e Diogo, Merlim e Miguel Ângelo obrigaram Juanjo a aplicar-se para evitar o 3º ’leonino. Um dado, no mínimo, curioso: com 10 minutos da 2ª parte jogados, o Sporting CP levava 9 faltas em todo o jogo e 4 cartões amarelos; Patias já cometera 4 faltas, duas delas para amarelo e… continuava com o registo disciplinar limpo. Assim como toda a equipa do Benfica…

O golo fez bem ao conjunto de Joel Rocha, que conseguiu subir no terreno e ter mais bola, aumentando a incerteza no marcador, mas esbarrando sempre no processo defensivo dos leões. Com cerca de 3 minutos por jogar, o Benfica apostou no 5×4, mas, nem assim o perigo rondava a baliza de Marcão. A 1 minuto do fim, o feitiço virou-se contra o feiticeiro e Cavinato apanhou a bola no seu meio-campo defensivo, atirando a contar para a baliza deserta, fazendo o 3-1 para os leões. Jefferson ainda reduziu, logo de imediato, assinando o 3-2, mas Fortino voltou a apanhar a baliza vazia e atirou a contar para o 4-2 final com que se fechou a partida e o Sporting CP conquistou a Taça de Portugal, com toda o mérito e justiça. A Onda Verde na Póvoa de Varzim teve o que desejou!

A equipa: Marcão; Caio Japa, Miguel Ângelo, Diogo, Fortino, Cavinato, Merlim, João Matos, Pedro Cary, Djô e Paulinho.

Nesta final a 8 da Taça de Portugal de Futsal o Sporting já havia derrotado o Unidos Pinheirense por 8-3 (Diogo3, Cavinato2, Miguel Ângelo, André Sousa e ag) e o Olivais por 3-0 (Fortino2 e Diogo).

Post to Twitter

Deixe o seu comentário