Dominguez – Um extremo com enormes potencialidades

José Manuel Martins Dominguez nasceu a 16 de Fevereiro de 1974 em Lisboa. Depois de jogar nas camadas jovens do Benfica (onde já mostrava dotes extraordinários mas foi dispensado por ser muito baixo…), esteve em Inglaterra, e foi a Birmingham (onde se tornara um ídolo dos adeptos locais – e já chegara à Seleção Nacional de sub-21) que o Sporting foi adquirir o seu passe. Dizia-se na altura que os responsáveis leoninos achavam que Dominguez, pela sua técnica magnífica (com toques verdadeiramente artísticos) era homem para causar, pelo menos, um penalty por jogo a favor da equipa.

Carlos Queiroz (e depois Fernando Mendes e Octávio Machado) apostaram forte no novo extremo (39 presenças) nessa 1ª temporada, e a verdade é que Dominguez até correspondeu parcialmente às expetativas. Estreou-se oficialmente no dia 23 de Agosto de 1995 nas Antas numa partida (de grandes emoções) para a Supertaça que terminou empatada 2-2, obrigando à realização dum 3º jogo (já em final de temporada e que o Sporting venceu). Marcou o 1º golo num Sporting-Desp. Chaves (4-1) para o Campeonato Nacional, realizado a 5 de Maio de 1996.

Talvez devido à sua baixa estatura tinha uma rapidez de execução notável e um drible muito fácil. Abria brechas nas defensivas contrárias com grande facilidade mas deu a ideia de faltar sempre algo, talvez mais pragmatismo na hora de assistir para o golo e sobretudo no momento de rematar (apenas 1 golo…).

Na temporada seguinte (com Robert Waseige e Octávio Machado) Dominguez chegou a ser um mistério para todos os adeptos leoninos. Jogava “que se fartava” mas quase sempre só era utilizado nos últimos 15 ou 20 minutos dos jogos – Chegou a dar a ideia que haveria problemas internos que provocavam a sua menor utilização, mas nunca se chegou a saber com clareza o que se passava… Acumulou 40 presenças, marcou 3 golos, e acabou transferido para o Tottenham…

O seu último golo pelo Sporting aconteceu no último jogo que disputou, no Bessa, na derradeira jornada da temporada 1996/97, a 15 de Junho (derrota por 2-1). No total esteve duas épocas no Sporting, clube pelo qual realizou 79 jogos oficiais e marcou 4 golos – ganhou uma Supertaça.

Passou ainda por Kaiserslautern, Al Ahli e Vasco da Gama (do Brasil) sempre com prestações algo intermitentes (alternando o muito bom com o vulgar), e terminou a carreira em 2005. Foi 3 vezes internacional A por Portugal.

A ideia que ficou é que, com o potencial que tinha, podia ter construído uma carreira ainda mais empolgante, a qual, provavelmente, só ele ficou a dever a si próprio.

Mais tarde enveredou pela carreira de treinador, orientou escalões de formação, passou pelos seniores da União de Leiria, e no início da temporada 2012/13 regressou ao Sporting para adjunto de Oceano na equipa B. Com a passagem do seu líder para a equipa A (na altura da saída de Sá Pinto), assumiu ele mesmo a turma secundária leonina, onde ficou até ao final da temporada com resultados positivos.

Em 2014 treinou o Real Cartajena, uma equipa colombiana protocolada com o Sporting, e depois passou pelo Recreativo Huelva.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário