Pedro Barbosa

Pedro Alexandre Santos Barbosa nasceu a 6 de Agosto de 1970 em Gondomar. Começou no Atlético de Rio Tinto de onde transitou para as camadas jovens do FC Porto começando nessa altura a evidenciar-se. Passou depois pelo Freamunde, mas foi no Vitória de Guimarães que o mundo futebolístico nacional começou a reparar num jogador diferente, que fazia lembrar um pouco os “artistas da bola” de tempos passados pela subtileza com que a tratava, pela técnica tão refinada, pela imprevisibilidade das suas ações.

Com a saída de Figo para Barcelona, a direção de Pedro Santana Lopes encontrou nele o substituto ideal. Estreou-se oficialmente pelos leões no dia 6 de Agosto de 1995, em Alvalade, na 1ª mão da Supertaça frente ao FC Porto (0-0), apontando os seus primeiros golos oficiais (e foram logo 3) a 14 de Setembro, no Sporting-Maccabi Haifa (4-0) para a Taça das Taças. Logo nessa temporada foi o melhor marcador da equipa (a par de Sá Pinto e Paulo Alves) com 14 golos.

Nunca conseguiu ser consensual no Sporting. Tanto era capaz de fazer coisas mirabolantes como de ter pormenores que levavam ao desespero os seus adeptos, mas pode ser considerado, em termos de habilidade e técnica, o melhor futebolista português da sua geração, mesmo à frente de Figo ou Rui Costa, mas sem a consistência nem a visibilidade internacional (preferiu fazer toda a carreira no nosso país) destes dois.

Foi o principal símbolo do Sporting na viragem do século, chegando a capitão da equipa e contribuindo de forma muito importante para que o clube regressasse aos títulos nacionais 18 anos depois. Num total de 10 épocas em Alvalade ganhou 2 Campeonatos Nacionais, uma Taça de Portugal e 3 Supertaças. Somou 342 presenças (8º de sempre) marcando 52 golos. Foi internacional A por 22 vezes (5 golos).

Acabou a carreira de forma algo estranha, dispensado pelo técnico José Peseiro após uma época em que foi uma das grandes figuras da equipa que chegou à final da Taça UEFA disputada no seu próprio estádio e que ingloriamente perdeu. Saiu magoado, afirmando que, no entanto, para sempre seria sócio e acionista do clube. Marcara pela última vez a 17 de Março de 2005 na receção ao Middlesbrough (1-0) para a Taça UEFA. O seu último jogo foi realizado a 22 de Maio frente ao Nacional da Madeira (2-4) e terminou a carreira expulso…

Pouco tempo depois, após a saída de Dias da Cunha da presidência e José Peseiro do comando técnico, Pedro Barbosa regressou ao departamento de Futebol leonino (onde se manteve perto de 4 anos), chegando mesmo a diretor desportivo (muitos acusavam-no de ser excessivamente discreto), funções de que abdicou simultâneamente à saída do treinador Paulo Bento.

Daí para cá é frequente vê-lo na televisão e na imprensa escrita emitindo comentários sobre futebol.

Post to Twitter

Comments (1)

 

  1. jose da silva says:

    pra mim particularmente o melhor jogador do mundo…

Deixe o seu comentário