Futsal – Sporting-5 Benfica-2 – Ganhámos a Taça da Liga pela 4ª vez!

27 de Fevereiro de 2022. Pavilhão Desportivo Municipal de Loulé. A nossa MARAVILHOSA equipa de Futsal não se cansa de ganhar. Tal como na época passada voltámos a encontrar o Benfica na final da Taça da Liga, e novamente foram os leões a levantar o troféu, vencendo o eterno rival por 5-2. A

Ultrapassados o Quinta dos Lombos (7-3) e o Eléctrico (7-1), o Sporting CP, perante lotação esgotada, fez o 3º jogo em 3 dias. Foi intenso, como sempre perante o grande rival. Depois de algumas paragens – numa delas Erick sairia, em definitivo, lesionado -, surgiram as primeiras oportunidades: Arthur, de calcanhar, atirou ao poste da baliza de Guitta e Merlim respondeu com um remate à figura de André Sousa.

À passagem do 6º minuto, Rocha atingiu o rosto de Cavinato, que ficaria a sangrar, e o pivô das águias seria expulso com vermelho direto. Os leões aproveitaram de melhor forma a superioridade numérica: em zona frontal, Merlim tirou o adversário da frente e chutou rasteiro para o 1-0. Pouco depois, só o guardião André Sousa evitou o segundo a remate de Pauleta.

A seguir foi a vez de Guitta brilhar, levando a melhor sobre Jacaré com uma ‘mancha’ antes de travar mais duas tentativas encarnadas. O jogo aquecia a cada lance – sempre impetuosos e por vezes demasiado agressivos – levando a equipa de arbitragem a mostrar os primeiros cartões amarelos: para Chishkala e Robinho no SL Benfica e Cardinal no Sporting CP. A cerca de 3 minutos do intervalo, ambos os emblemas atingiram as 5 faltas.

Apesar do ascendente encarnado, que procurava reagir à desvantagem, o Sporting estava sólido a defender – com Guitta intransponível – e nunca deixou de ameaçar de contra-ataque, sobretudo por Merlim – seria num destes lances e através do mesmo protagonista que chegaria o 2-0.

A abrir a 2ª parte, Guitta defendeu por instinto um remate de Arthur, impedindo a reação imediata das águias. Após tentativas perigosas de Cavinato e Paçó, Pauleta correspondeu de forma perfeita a um canto, fazendo o 3-0 com um pontapé acrobático.

As águias conseguiram aproveitar uma recarga para reduzir através de Bruno Cintra e ganharam novo ânimo na partida. A cerca de 8 minutos do fim, Chishkala concluiu uma bola parada com sucesso, aumentando a incerteza no dérbi e na final – 3-2!

Os leões não tremeram. Logo a seguir, Zicky teve nos pés uma oportunidade soberana e Paçó acertou na trave, mas a insistência recompensaria o Sporting CP, a 5 minutos do fim, com o 4º golo – Pauleta conduziu um lance genial pela direita, tirou dois rivais do caminho e assistiu para o golo de Pany Varela.

De seguida, Cardinal ficou perto de marcar e o SL Benfica partiu para o guarda-redes avançado. Apesar do tudo por tudo encarnada, a equipa de Nuno Dias manteve a serenidade e não só conteve o último esforço adversário como ainda chegou ao 5-2 – aproveitando a baliza deserta, Cardinal “deu” o 5-2 final a Pany e a festa pintou-se de verde e branco.

A nossa equipa juntou a Taça da Liga desta época à Supertaça conquistada, em Dezembro, também frente ao SL Benfica.

Joagaram: Guitta (gr), Tomás Paçó, Zicky Té, Fernando Cardinal, Erick Mendonça, João Matos, Pauleta, Bernardo Paçó (gr), Diego Cavinato, Pany Varela, Miguel Ângelo e Alex Merlim.

O treinador Nuno Dias: “Não foi um jogo bonito, mas foi muito intenso. Prejudicámos a qualidade do jogo quando a emoção nos leva a estar mais preocupados com o resultado do que com a exibição, o que é normal num dérbi com um troféu em disputa. Por vezes jogámos mais com o coração e de forma menos racional. Não há nada a apontar aos jogadores, porque querem lutar e ganhar todos os lances. Acho que nos 10 minutos iniciais houve agressividade em excesso na quadra, mas depois o jogo melhorou (…) O Benfica tem uma excelente equipa e obrigou-nos a jogar em zonas que não gostamos. Em muitos momentos fez-nos defender nos últimos 10 metros, tivemos dificuldades, mas nessas alturas fomos capazes de marcar de contra-ataque (…) O Benfica chegou ao 3-2 e acreditou, mas nesse momento conseguimos fazer o 4º e eles arriscaram com o guarda-redes avançado. Isso, com o Sporting CP, é extremamente difícil e ainda sofreram (…) Soubemos ser eficazes e, no geral, tenho a agradecer aquilo que foi o apoio dos adeptos do Sporting CP e pelo facto de liderar uma equipa de homens absolutamente maravilhosos. Sou um treinador orgulhoso por liderar um grupo que tem esta postura, garra e mentalidade vencedora. Felizmente, correu bem e estamos de parabéns”.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário