Morato – Capacidade de liderança e sentido posicional

António Maurício Farinha Henriques Morato nasceu a 6 de Novembro de 1964 em Lisboa. Com um pai (com o mesmo nome) que jogara com algum relevo no Sporting, cedo chegou a Alvalade, tornando-se um bom “produto” das escolas leoninas.

Internacional em todos os escalões jovens, estreou-se oficialmente (com o técnico Jozef Venglos) pela equipa principal a 1 de Abril de 1984 num Sporting-Vitória de Setúbal (3-1) para o Campeonato Nacional. Nessa temporada ainda teve tempo para fazer 5 jogos, mas foi no ano seguinte, com John Toshack, que se lançou definitivamente para a ribalta no centro da defesa leonina.

Em 1985/86, com Manuel José, foi titularíssimo, apontando o 1º golo ao serviço do clube a 17 de Novembro de 1985 num triunfo em Ponte de Sôr (2-1) para a Taça de Portugal. Iniciou nessa temporada uma habitual dupla com Venâncio, que perdurou vários anos. Até ao final da época 1988/89 foi sempre uma peça importantíssima na equipa, da qual chegou mesmo a capitão (no último ano). Em Junho de 1989, surpreendentemente, o ainda presidente Jorge Gonçalves deu “permissão” a Pinto da Costa para negociar a sua saída para o FC Porto, o que se veio a concretizar.

Curiosamente, 5 anos exatos após a sua estreia oficial pelos seniores, fez o último jogo (a 1 de Abril de 1989) em Portimão (derrota por 3-1), tendo “acabado” como capitão. A 15 de Outubro de 1988 fizera o último golo – num Sporting-Boavista (1-1).

Ao longo de 6 temporadas realizou um total de 178 jogos oficiais ao serviço do Sporting, nos quais marcou 6 golos. Ganhou uma Supertaça (1987/88). Deixou a imagem de um bom defesa-central, que não sendo muito alto tinha ótimo posicionamento e capacidade de liderança.

Depois, não “vingou” no Porto (onde, ainda assim, foi campeão), passando mais tarde por Belenenses, Gil Vicente e Estoril. A verdade é que, após a sua saída do Sporting, nunca mais atingiu (nem de perto) a bitola exibida de verde e branco, e fazendo um balanço da sua carreira é quase “obrigatório” pensar que poderia ter chegado ainda mais longe se tivesse permanecido em Alvalade.  Foi 6 vezes internacional A (todas quando estava no Sporting).

Post to Twitter

Deixe o seu comentário