8-2 aos campeões suecos do Norköpping

1 de Dezembro de 1948. Mais uma página gloriosa do futebol sportinguista e lusitano se escreveu. No Estádio Nacional, o Sporting “esmagou” os campeões suecos do Norköpping por 8-2!

Os nórdicos vinham de uma digressão a Inglaterra onde mereceram os maiores elogios, mas o Sporting deu uma verdadeira lição de futebol tanto no aspeto técnico como na vertente tática.

A equipa: Azevedo; Octávio Barrosa e Juvenal; Canário, Manecas e Mateus; Armando Ferreira, Vasques, Peyroteo, Travassos e Albano.

Ribeiro dos Reis escreveu em “A Bola” que “está de parabéns o nosso prezado camarada de redação Cândido de Oliveira. O momento glorioso que o Sporting atravessa constitui um triunfo das suas qualidades pessoais de orientador técnico. Há que conhecer nos mais pequenos pormenores a metodologia do ensino para poder tirar desse ensino o melhor rendimento possível”.

Os primeiros 10 minutos ainda mostraram alguma da classe dos suecos, com bom toque de bola, cobrindo-a bem com o corpo, não jogando à toa. Ainda assim, um “tiro” de Travassos ao poste constituiu um aviso para aquilo que se seguiria… Aos 14 minutos, depois dum primoroso trabalho de Armando Ferreira, Albano concluiu um centro do mesmo da direita com um forte remate indefensável. 3 minutos se passaram e começou o “show” da “sociedade Travassos e Peyroteo” (na foto). O possante avançado-centro fez o 2-0 aproveitando uma confusão em frente da baliza. A rapidez do Sporting perturbava os adversários, que não atinavam com as marcações.

Aos 23 minutos Travassos fez o 3-0, 6 minutos depois Peyroteo voltou a marcar e aos 31 o mesmo avançado fez o 5-0. Antes do intervalo os suecos estiveram muito perto de reduzir, numa fase em que o jogo vivia um período de alguma trégua por parte dos leões, incapazes, obviamente, de manter aquele ritmo diabólico da 1ª meia-hora.

Os visitantes entraram bem para a 2ª parte, mas ainda assim foram os sportinguistas a aumentar a vantagem para meia-dúzia de bolas, por Travassos, com um remate rasteiro junto ao poste. No minuto seguinte Manecas cometeu penalty e Malm aproveitou para minimizar os estragos. Também de penalty (por mão na bola de um sueco), apenas 2 minutos volvidos, Travassos fez o 7-1. Veio depois outro período de acalmia leonina na qual o Norköping pôde demonstrar algo do que sabia, chegando inclusivamente a reduzir por G. Nordhal (que por uma vez conseguiu iludir Manecas) com alguma culpa de Azevedo. Para fechar as hostilidades Peyroteo, pois claro, fez o 8-2 final aos 76 minutos.

O Sporting foi um bloco homogéneo, tendo Travassos jogado brilhantemente, constituindo-se como a grande figura da equipa.

No final, o avançado centro do Norkoping, afirmou que “A equipa do Sporting tem um valor à parte no futebol europeu”, enquanto Karl Stein afirmava que “os jogadores portugueses deram-nos uma lição de futebol que dificilmente esqueceremos”.

De realçar que uma semana depois esta mesma equipa sueca derrotou o Benfica por 2-0.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário