Vitória coletiva e individual na Taça Portugal em Ciclismo

17 de Agosto de 1913. Nesse dia realizou-se a prova mais importante do calendário velocipédico português na altura – a Taça Portugal em Ciclismo, que já ia na sua 3ª edição. A prova tinha a extensão de 100km e era organizada pela União Velocipédica Portuguesa.

A equipa do Sporting esteve presente e obteve uma brilhante vitória coletiva (a que juntou o título individual). Para além dos leões, estiveram representadas as melhores equipas portuguesas da modalidade – Benfica, Nacional Sport Clube e Sport Clube Progresso.

Segundo o jornal “O Século”: “Sob um calor abrasador, o pelotão fracionou-se logo no 1º quilómetro. Ao 55º, depois de algumas escaramuças, incidentes e desistências, começou a notar-se a boa forma de António Cristiano, que adiantando-se com enorme vantagem alcançava João da Silva, o qual em vigorosas pedaladas tentou fugir-lhe mas não o conseguiu devido à quebra de corrente da sua máquina, no conserto da qual perdeu meia-hora. António Cristiano aproveitou para desaparecer deixando atrás de si todos os competidores, (entre os quais Carlos Fernandes, que desistiu), e em passo firme fez o resto do percurso sozinho, acabando com o tempo de 3h53m. João da Silva, também do Sporting, ficou em 2º com 4h12m. Os leões venceram por equipas à frente do Benfica”.

No final, o vencedor declarou: “Tinha a impressão antecipada da vitória dado a excessiva superioridade do Sporting. Com a avaria do João da Silva e os problemas do Carlos Fernandes as coisas complicaram-se, mas com o considerável esforço do João, que passou de penúltimo a 2º, foi possível a equipa ganhar”.

António Cristiano chegou à meta fresco e na melhor disposição, dizendo que, se necessário fosse, teria feito o percurso em menos 10 minutos! No final coube aos vencedores medalhas em “vermeil” e objectos de arte.

Outra prova importante desta temporada foi a disputada em Setúbal, no mês de Março, na distância de 60km. O leão João da Silva triunfou de forma quase desesperada após uma luta titânica com José Colaço (do Progresso) tendo terminado os 2 ciclistas perfeitamente “colados”.

De realçar ainda, neste ano de 1913, o título de António Soares Junior nos 1.000 metros dos Jogos Olímpicos Nacionais que fez dele Campeão de Portugal de velocidade.

E era destas vitórias que se começava a construir a mística leonina, também no Ciclismo!

Na foto: Joaquim Dinis Maia e João da Silva, 2 dos ciclistas sportinguistas nesta temporada gloriosa.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário