Recuperação brilhante frente ao Porto, na homenagem a Passos

2 de Setembro de 1956 foi o dia da homenagem a Manuel Passos, um defesa-médio centro que marcou uma era nas equipas de futebol do Sporting.

Passos trabalhava na CUF e a sua carreira de futebolista prejudicava um pouco o seu trabalho. Neste dia de homenagem afirmou que “gostava de fazer mais uma época” e na realidade assim aconteceu. Para a festa foi convidado o FC Porto (campeão nacional), tendo o jovem Pompeu e Osvaldinho (internacional brasileiro vindo do América do Brasil por 190 contos) se estreado na equipa do Sporting.

Em início de temporada, todo o público estava ansioso por ver aquilo que as equipas valiam, e a meio da 1ª parte já o FC Porto tinha marcado 3 golos, com toda a naturalidade. Carlos Gomes estava “lento”, falho de reflexos e toda a defesa pouco astuta. Os sportinguistas presentes estavam atónitos sem crer naquilo a que assistiam, mas a certa altura Osvaldinho e Miltinho receberam ordem de Abel Picabêa para entrarem em campo.

A verdade é que os novos jogadores revolucionaram a equipa, que contou com um jovem inspiradíssimo de nome Manuel Pompeu que assinou 3 golos. O outro foi do brasileiro Miltinho (que a interior direito fez “gato-sapato” da defesa portista) completando assim um triunfo por 4-3. Hugo mostrou-se muito veloz, Travassos e Martins generosos e produtivos.

Segundo o jornal “Record”: “Este Sporting-Porto foi fértil em momentos de grande futebol, destacando-se um momento de rara beleza em que Juca, todo em vôo, evitou de cabeça um golo dos nortenhos, com Carlos Gomes fora da baliza. Os ´novos`, Pompeu e Osvaldinho, estiveram em grande plano”.

O jovem avançado deu a entender que a sorte esteve do seu lado: “As coisas sairam-me bem, 3 golos ao FC Porto contentam-me. O 1º golo, de cabeça, foi o mais consciencioso. O 2º foi o que mais gostei – um belo tiro, o 3º foi um golo de oportunidade, eles hesitaram e eu aproveitei!” O jovem angolano não se deslumbrou com a magnífica estreia, mesmo depois de felicitado pelos colegas no balneário: “Sinceramente não tenho grandes aspirações como jogador, mas sinto-me em excelente condição física. Se jogar na 1ª categoria para mim é o ideal, mas se continuar na reserva não me lastimarei. Sou novo, posso esperar…”.

O médio brasileiro Osvaldinho estava, naturalmente satisfeito: “Estou estranhando mais o clima que propriamente a toada do Sporting. Procurei harmonizar o jogo, o que não é difícil porque o Sporting pratica bom futebol, vistoso mesmo”.

Foto: Passos, o homenageado.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário