O dia mais brilhante (até então) do Atletismo leonino

28 de Setembro de 1930. Nesse dia a secção de Atletismo do Sporting terá vivido a mais brilhante tarde do seu já, até então, magnífico historial. Aconteceu nos Campeonatos Nacionais, no Porto.

Dispondo apenas de 14 atletas (por contrariedades várias) os leões triunfaram em 11 provas dum certame que decorreu com alguns incidentes devido a incorreções várias do público nortenho para com os sportinguistas (ao contrário dos próprios atletas e dirigentes portuenses e das delegações dos outros clubes de Lisboa e Coimbra).

Em destaque estiveram Mário Porto (que venceu os 100 e 200 metros, igualando o recorde do clube na 1ª e batendo-o na 2ª), Manuel Dias (bateu o recorde nacional dos 5.000 metros, com 15m25,8s), José Palhares Costa (igualou o recorde nacional dos 110 metros barreiras, com 16,2s) e José Garnel (que além de vencer dardo, disco e peso, bateu o recorde nacional do lançamento do peso, com 13m). Os campeões:

100m – Mário Porto – 11s (igualou recorde do clube)

110m barreiras – Palhares Costa – 16,2s (igualou recorde nacional)

200m – Mário Porto – 23,4s (bateu recorde do clube)

1.500m – Joaquim Alvarez – 4m23,8s

5.000m – Manuel Dias – 15m25,8s (recorde nacional – bateu também os recordes dos 2.000, 3.000 e 4.000m).

10.000m – António Almeida – 33m54,8s

Comprimento – Mário Martins Correia – 5m91cm

Dardo – José Garnel – 46m05cm

Disco – José Garnel – 37m75cm

Peso – José Garnel – 13m (recorde nacional)

Triplo Salto – Fernando Marrecas – 12m87cm

Para além deste dia, que foi o ponto alto da temporada leonina, foi impressionante o conjunto de resultados da equipa de Atletismo do Sporting nessa época de 1930.

Tudo começou nas provas de Crosse. Assim, Manuel Dias levou a melhor nos Crosses de Abertura, do Carcavelinhos e do Campeonato Regional (onde os leões também triunfaram coletivamente). A 27 de Abril sagrou-se Campeão Nacional.

Logo no 1º dia de Junho os leões triunfaram pela 3ª vez consecutiva na Taça Salazar Carreira, o que assegurou ao clube a posse definitiva do troféu em disputa – para a História ficou o último triunfo de Francisco Serra e Moura (no salto em comprimento, com 6m29cm). Ainda em Junho, o Sporting dominou no concurso de Atletismo organizado pelo jornal “Os Sports” – onde José Palhares Costa bateu o recorde nacional dos 200 metros barreiras (29,8s) e Joaquim Alvarez o dos 1.000 metros (2m45s). A maior demostração de superioridade dos leões neste encontro foi a estafeta de 10X200m – correndo com José Palhares Costa, Vasco Cayola, Martins Correia, José Maria Santos, Mário Porto, Afonso Salcedo, Fernando Marrecas, Manuel Henriques, José Carvalho Amaro e Joaquim Alvarez (todas as suas estrelas da velocidade), o Sporting triunfou claramente numa prova sem história.

Já em Julho decorreram os 8ºs Regionais de Atletismo. O Sporting dominou completamente a prova. Foi tal a superioridade, que os verdes obtiveram 67 pontos contra 54 de todos os outros clubes juntos (CIF, Belenenses, Benfica e Probidade). Manuel Dias (venceu os 1.500, 5.000, 4X800 e 4X1.500 metros – recorde nacional com 18m42s) e José Garnel (triunfou nos lançamentos de dardo, disco e peso) foram, novamente, os grandes destaques duma equipa que obteve 12 triunfos na competição.

Em Agosto, Manuel Dias foi Campeão Nacional de Légua – uma competição organizada pelo jornal “O Sport de Lisboa” e que depois de eliminatórias regionais teve a sua final a nivel nacional. No “Porto-Lisboa”, no “Concurso do Belenenses” e no 1º “Coimbra-Lisboa” os leões voltaram a ser os grandes dominadores.

Foto: Mário Porto concluindo a sua brilhante prova de 100 metros nos Campeonatos Nacionais realizados no Porto.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário