9-1 ao Porto para o “Torneio dos 4 Grandes”

28 de Setembro de 1941. Depois duma época em que tinha ganho tudo, o Sporting entrou para a nova temporada com a firme disposição de manter a embalagem. A 1ª competição  a disputar foi o (na altura) tradicional Torneio dos Quatro Grandes. Após vencer o Belenenses por 6-2 (golos de Peyroteo3, Pireza2 e Canário), os leões (orientados por Jozef Szabo) aplicaram 9-1 ao FC Porto e ganharam a prova. A partida disputou-se nas Salésias nesse 28 de Setembro, tendo o Sporting alinhado com: Azevedo; Frazão e Álvaro Cardoso; Paciência, Gregório e Manecas; Mourão, Armando Ferreira, Peyroteo, Canário e João Cruz.

O curioso é que na 1ª parte não houve um único golo. O Sporting começou bem, perdendo logo de início duas boas oportunidades para faturar, mas os portistas, marcando homem-a-homem, dificultavam imenso a ação dos atacantes sportinguistas. Canário foi o único dos avançados mais livre, mas os seus remates não tiveram o melhor destino. Sob a batuta atacante de Kordnya os portistas soltaram-se um pouco na parte final do 1º tempo, e foi mesmo aquele atacante a disparar à trave aos 40 minutos.

A verdade é que na 2ª parte os leões pareciam outros. Armando Ferreira marcou um golo excelente logo no 1º minuto e a equipa modificou-se como que por encanto. A partir dos 64 minutos o Sporting “abriu o livro”. Primeiro foi Peyroteo a bater Guilhar em corrida e a fazer um golo ao seu estilo. 1 minuto depois, após jogada com Canário, Armando Ferreira rematou rasteiro fazendo o 3-0. Outro minuto passou e João Cruz, aproveitando uma bela assistência de Mourão, aumentou a contagem. Mais 1 minuto apenas e Peyroteo aproveitou uma bola perdida fazendo 5-0! Foi uma “guerra-relâmpago” desencadeada pelo ataque leonino que atordoou completamente os nortenhos.

Com um golo excelente, o melhor da tarde, de pé esquerdo, Armando Ferreira fez 6-0 aos 70 minutos – o avançado leonino marcou os seus 3 golos todos na mesma direção (esquerda de Andrasik), parecendo explorar o lado mais vulnerável do guarda-redes portista. Aos 73 minutos surgiu o 7-0. Mesmo apertado pelo médio lateral contrário, Mourão conseguiu centrar e Peyroteo, felino como sempre, concretizou. A 5 minutos do fim, Canário, pouco feliz, conseguiu finalmente acertar bem um remate a meia altura, aumentado a parada para 8-0. 2 minutos depois, na sequência dum canto, Azevedo chocou com Cardoso e a bola acabou por ir para ao fundo das redes leoninas. Finalmente, mesmo nos últimos segundos, Peyroteo fez mais um, fechando o resultado em 9-1.

Para o jornal “Os Sports”: “Armando Ferreira foi o melhor dos 22 homens em campo. Apesar disso deve soltar mais rapidamente a bola, mas tem sem dúvida grande técnica e ótimo poder de remate. Azevedo patenteia também uma boa forma”.

Foto (arquivo): Armando Ferreira, o melhor homem em campo na goleada histórica ao Porto.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário