2ª vitória na Taça Preparação com 3-0 na “casa” do Benfica

2 de Outubro de 1932. Nesse dia o Sporting conquistou pela 2ª vez a Taça Preparação da Associação de Futebol de Lisboa, uma prova disputada em início de época antes do Campeonato Regional de Lisboa e que servia para aquilatar das reais possibilidades das equipas para a nova temporada.

Depois de nas meias-finais terem afastado Barreirense (por 3-1 com golos de Abelhinha, Mourão e Faustino) e Belenenses, o Sporting e o Benfica disputaram nas Amoreiras (terreno benfiquista) a final. Orientados por Rudolf Jeny, os leões alinharam com: Dyson; Jurado e Joaquim Serrano; Forno, Rui de Araújo e Faustino; Eduardo Mourinha (Abrantes Mendes), Abelhinha, Gralho, Fonseca (Luís Gomes) e Valadas.

A maioria dos observadores não estava à espera daquilo que se passou, muito mais depois de o Benfica ter batido o Belenenses por 6-5, numa partida intensíssima. O Sporting criou a 1ª jogada de perigo da partida com um livre fortíssimo de Faustino, defendido a custo por Conceição. Por volta dos 10 minutos Valadas atirou muito por cima, desperdiçando uma ótima chance de golo. Apesar dos leões beneficiarem do vento a partida foi-se mantendo equilibrada.

À meia-hora surgiu finalmente o 1º golo. Uma tabelinha entre Valadas e Fonseca resultou num belo disparo daquele, sem hipótese de defesa. Apesar da reação benfiquista foi o Sporting a estar muito perto de aumentar a contagem antes do descanso numa bela jogada entre Abelhinha e Mourinha, a que o jovem Valadas não chegou por pouco.

Logo no início da 2ª parte Abrantes Mendes teve um ótimo lance pela direita centrando bem para a entrada de rompante de Valadas que fez o 2-0. O Sporting animou e passou a ser a “única equipa em campo”, onde se destacavam os cruzamentos “venenosos” de Abrantes Mendes e Valadas.

O benfiquista Xavier ia-se salientando pelo jogo violento, e à meia-hora, a novo centro de Abrantes Mendes, foi Gralho a concluir fazendo o 3-0 definitivo.

Até final, com o jogo já decidido, a partida foi monótona. O Sporting exibiu um jogo coletivo muito prometedor com um trio defensivo muito rápido e eficaz. Rui de Araújo, extremamente ativo e com bom jogo de cabeça foi o “cérebro” da equipa e Valadas o melhor avançado. Pela amostra nada fazia prever que os leões nada mais ganhassem nessa época…

Foto (arquivo): Rui de Araújo, o melhor homem do Sporting neste triunfo claro sobre o rival encarnado.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário