5-0 ao Benfica nas Amoreiras!

18 de Outubro de 1936. O Sporting já vinha de 3 triunfos consecutivos no Regional Lisboeta, e depois dum início periclitante (no caminho para o tetra) com o empate em “casa” frente ao Carcavelinhos, seguia-se uma difícil deslocação às Amoreiras para defrontar o Benfica.

O treinador era Wilhelm Possak, que fez jogar a seguinte equipa: Azevedo; Jurado e Joaquim Serrano; Alcobia, Rui de Araújo e Faustino; Mourão, Pireza, Soeiro, Francisco Lopes e João Cruz.

Na opinião do jornal “Os Sports”: “Os 5-0 com que o Sporting brindou o seu adversário ficaram aquém daquilo que o jogo deu. Uma bela exibição do guarda-redes benfiquista e alguma sorte evitaram que a punição fosse mais severa e dolorosa”.

Logo aos 17 minutos os leões inauguraram o marcador com um esplêndido remate cruzado, de pé direito, de João Cruz (vindo de Setúbal, já se tornava a grande revelação da época). 13 minutos depois, a centro do mesmo Cruz, Soeiro faturou o 2º com mais um imparável remate ao canto mais distante.

O 1º tempo foi melhor que o 2º, com mais qualidade de jogo e empenho das equipas. O Sporting chegou ao intervalo a ganhar por 2-0 e já sem deixar dúvidas sobre o desfecho final da partida.

Para a 2ª parte os benfiquistas entraram a fazer um jogo muito violento a que só Francisco Lopes respondia. Só aos 70 minutos o Sporting ampliou a vantagem, por Soeiro, que aplicou um pontapé “mortal” a uma bola perdida na área. 7 minutos passaram e Pireza aumentou a parada na sequência dum canto de João Cruz. Finalmente, a 2 minutos do fim, Faustino decidiu-se a arriscar um daqueles pontapés imparáveis de longe que o tornaram célebre. Como muitas vezes acontecia foi bem sucedido, fechando a contagem.

João Cruz, “com uma exibição de um brilhantismo notável”, foi o melhor jogador em campo naquela que foi, até então, a maior goleada obtida pelo Sporting em confrontos com o Benfica.

Foto (arquivo): Soeiro, 2 golos na goleada ao Benfica.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário