Ayew – Um dos protagonistas do título de 2000 tem agora uma Igreja

Ayew Kwame nasceu a 28 de Dezembro de 1973 na cidade de Tamale – Gana. Foi um avançado interessante que passou pelo futebol do Sporting embora tenha permanecido em Alvalade apenas uma época.

Começou a ser conhecido pelo facto de ser irmão de Abedi Pele – uma estrela do futebol africano dos anos 80 e 90 do século passado. Pouco a pouco Ayew começou a dar nas vistas por mérito próprio. Ainda junior foi para França, passando mais tarde pelo Egito e Itália. Em 1995 chegou a Portugal para a União de Leiria. Esteve depois no Vitória de Setúbal e no Boavista antes de se transferir para o Sporting no início da inesquecível temporada 1999/2000.

Estreou-se oficialmente pelos leões no dia 30 de Agosto de 1999 no Sporting-Vitória de Setúbal para a 2ª jornada do Campeonato. Marcou logo à primeira, no triunfo por 2-1.

Ao longo da temporada foi sempre um recurso importante para a equipa devido à sua voluntariedade e codícia. Não sendo um titular indiscutível (sobretudo devido à insuperável concorrência de Acosta), fez 33 jogos oficiais apontando 9 golos – 1 na Taça UEFA (valeu a única vitória europeia da época), 7 no Campeonato (1 deles no jogo decisivo em Vidal Pinheiro) e 1 na Taça de Portugal (que tornou possível a ida à final do Jamor).

Jogou pela última vez de “leão ao peito” a 25 de Maio de 2000 na finalíssima da Taça de Portugal frente ao FC Porto (0-2).

No final da temporada acabou surpreendentemente dispensado para a Turquia. Pelo seu bom desempenho parecia claro a (quase) todos que teria lugar no plantel para a época seguinte. Essa ideia mais se reforçou com a prestação do ataque sportinguista em 2001… Depois esteve vários anos na China e acabou a carreira, já veterano, em Portugal, no Vitória de Setúbal.

Foi 7 vezes internacional pelo seu país, conquistando uma medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de 1992 em Barcelona.

Nos tempos em que jogava na Turquia afirma ter ouvido uma voz enquanto dormia a sesta e “percebeu que era Deus a chamá-lo”. Seguiu a sua palavra e agora é padre em Accra – capital do Gana – o seu país natal, tendo criado uma igreja há cerca de 5 anos. “Curei muitas pessoas com cancro e outras doenças. Há muita gente que não acredita que eu, um jogador que ganhou quase tudo, faça isso, mas vêm ver e é verdade”, garante. Atualmente a missão religiosa preenche totalmente a sua vida, tanto nas missas na sua igreja como em missões de evangelização por aldeias e vilas do Gana.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário