Artur José Pereira – A 1ª grande “estrela” do futebol português

Artur José Pereira nasceu a 16 de Novembro de 1889 em Belém. Passou pelo União Belenense, Cruz Negra e Sport Lisboa (embrião do Benfica), atuando normalmente a médio-esquerdo, e sendo uma das principais figuras dos encarnados. Já nessa altura era conhecido pelo seu feitio irrascível, fazendo da competitividade uma das suas grandes armas. Perder não era para ele, que dava tudo em todos os jogos em prol da equipa.

No Verão de 1914, por desentendimentos com a direção benfiquista, mudou-se para o Sporting. Beneficiou de condições especiais entre os leões (como uma retribuição certa  de 36$00 por mês – tornando-o assim no 1º jogador não amador do futebol português, e outros privilégios, como, por exemplo o de ter preferência sobre o uso de banho quente, luxo que só o Sporting tinha em Lisboa).
Estreou-se oficialmente a 15 de Novembro de 1914 num triunfo por 3-0 sobre o Império para a 1ª jornada do Campeonato Regional. A sua presença foi decisiva na equipa e no final da temporada os leões chegaram finalmente ao seu 1º título. A sua presença era muito desequilibradora, a sua classe excecional, mas tinha também o defeito de ser algo “vedeta”. Houve situações, por exemplo, em que só chegou aos jogos no intervalo!

Pelo Sporting ficou 5 temporadas realizando perto de 40 jogos oficiais. Na época de despedida voltou a ser Campeão, alinhando pela última vez a 20 de Julho de 1919 num triunfo por 2-1 sobre o Benfica (precisamente na finalíssima do Campeonato Regional).

Saiu do clube de Alvalade para cumprir o grande sonho da sua vida – fundar o Clube de Futebol Os Belenenses, onde continuou a jogar e a brilhar. Despediu-se do Futebol a 26 de Março de 1922, no dia em que, capitaneando o seu Belenenses, perdeu a final do Campeonato de Lisboa para o Sporting (2-0). Foi unanimemente considerado o melhor jogador português até aos anos 30 e várias vezes selecionado para a Seleção de Lisboa – esteve na equipa que em 1913 se deslocou ao Brasil. Foi depois treinador do Belenenses durante muitos anos e fez dulpa técnica com Cândido de Oliveira nos azuis e na Seleção Nacional em finais dos anos 30.

Foi ainda um competente árbitro, merecendo a distinção de Sócio de Mérito da AFL. Morreu a 6 de Setembro de 1943.

Post to Twitter

Deixe o seu comentário