2021 – Taça de Portugal para o Basquetebol com vitória clara sobre o Imortal!

11 de Abril de 2021. Centro e Desportos e Congressos de Matosinhos. A equipa de Basquetebol do Sporting CP conquistou, este domingo, a 2ª Taça de Portugal consecutiva, ao vencer o Imortal BC por 83-59. Depois eliminarem o FC Porto na meia-final por 85-77, os leões encontraram a equipa sensação deste ano, que batera o Benfica. A formação algarvia arrancou a todo o gás e criou muitas dificuldades aos verdes e brancos na fase inicial da partida. O 2º quarto começou mais intenso e trouxe um Sporting CP diferente: mais assertivo e agressivo. Liderado pelo sempre enérgico Shakir Smith, que marcou 12 pontos neste período e fez a equipa jogar, o conjunto de Luís Magalhães não deu qualquer hipótese ao Imortal BC e foi construindo, aos poucos, uma vantagem confortável, que se fixou nos 44-32 ao intervalo. No regresso do descanso, a tónica do encontro manteve-se, com o Sporting CP cada vez mais confiante e os algarvios a insistirem nos lançamentos de 3 pontos, na maioria das vezes sem sucesso, para evitar ter de furar a defesa leonina. À medida que o cronómetro se esgotava, a distância no marcador foi sendo dilatada com naturalidade até aos 21 de diferença (65-44). Nos 10 minutos finais Luís Magalhães começou a rodar a equipa e deu minutos aos menos utilizados, pois a vitória estava praticamente garantida, mas, mesmo assim, o Sporting CP nunca perdeu o controlo e selou a conquista da Taça de Portugal com um resultado claro. A equipa: Travante Williams (15), James Ellisor (12), Diogo Ventura (2), João Fernandes (4) e John Fields (9). Jogaram ainda: Shakir Smith (24), Diogo Araújo...

1913 – Um clube em “estado de graça”

11 de Abril de 1913. Neste dia saiu um interessante artigo no jornal “O Século” que rezava assim: “Há clubes desportivos que marcam o seu progresso pelo desenvolvimento material, prosperidade associativa, aumento inscritivo de sócios e excelentes performances dos seus atletas. Nesse número de clubes fluorescentes deve contar-se o Sporting Clube de Portugal, cuja sede é na Alameda do Lumiar e cujas instalações são modelares, completas, higiénicas e apropriadas à execução do todos os sports de ar livre. O Sporting é mesmo aquele que tem melhores instalações, que compreendem courts de ténis, sala de hidroterapia, campos de futebol, um magnífico stand de tiro aos pombos, etc. Em Maio mais um melhoramento vai ser construído. Consiste num vasto rinque de patinagem construído em cimento e pelos melhores processos adoptados no estrangeiro, projectando a direcção do Sporting torná-lo num dos melhores de Lisboa. Paralelamente a esse modernismo de instalações, o Sporting possui também um núcleo de atletas que são campeões e se notabilizam em torneios onde se inscrevem. Nos Jogos Olímpicos Nacionais de 1912, os sócios do Sporting bateram um recorde ao ganharem todas as taças, que figuravam no programa dessa grande manifestação em atletismo. É em honra desses campeões olímpicos que se realiza amanhã uma festa. Serão distribuídos os prémios em sessão solene à qual assistem delegados da Sociedade Promotora de Educação Física Nacional”. Presidiu à sessão Duarte Rodrigues (membro do Comité Olímpico), que elogiou o Sporting Clube de Portugal pelo muito que fazia em favor do desporto, enaltecendo os seus campeões. Finda a distribuição de prémios, foi oferecido a concorrentes e convidados um chá, tendo falado ainda Daniel Queirós...

Afonso Martins – Um poveiro com talento

Afonso Paulo Martins da Agra nasceu a 11 de Abril de 1973 na Póvoa de Varzim. Era ainda uma criança quando emigrou com os pais para França. Começou a jogar no Nancy onde se estreou na 1ª divisão gaulesa com apenas 18 anos. Poucos anos mais tarde chegou à Seleção portuguesa de Esperanças e daí a despertar o interesse dos principais clubes lusitanos foi um pequeno passo. Chegou ao Sporting no Verão de 1995 assinando um contrato de longa duração pouco habitual para a época (7 anos). Estreou-se oficialmente (pela mão de Carlos Queiroz) a 23 de Agosto, no Porto, em partida a contar para a Supertaça (2-2). Marcou o 1º golo a 9 de Janeiro de 1996 numa vitória por 2-1 sobre o Boavista para a Taça de Portugal. Nessa 1ª temporada no clube logo se assumiu como um jogador importante realizando 30 jogos oficiais e marcando 4 golos – o mais marcante dos quais valeu a eliminação do Porto para a Taça de Portugal. No defeso que se seguiu foi um dos jogadores fundamentais da Seleção Nacional que alcançou o 4º lugar nos Jogos Olímpicos de Atlanta. Na época seguinte voltou a ser uma “peça” de relevo no meio-campo sportinguista, mas em 1997/98 começaram a surgir os primeiros conflitos com os treinadores numa das piores temporadas do clube. Esses problemas adensaram-se em 1998/99 (fôra dispensado mas recusara sair e não admitiu um empréstimo), temporada da qual não chegou a fazer um único jogo oficial. Em 2000, com Inácio, foi recuperado para a equipa após um largo período votado ao ostracismo em que andou a treinar à parte...

Meszaros – 2 anos chegaram para o tornar mítico em Alvalade

Ferenc Meszaros nasceu a 11 de Abril de 1950 em Budapeste. Chegou ao Sporting no Verão de 1981 proveniente do Vasas de Budapeste (por 7.000 contos) – onde tinha feito toda a carreira, indicado pelo novo treinador Malcolm Allison. Veio rotulado como sendo um dos melhores guardiões mundiais e em Alvalade comprovou toda a sua classe. Estreou-se oficialmente a 23 de Agosto num Sporting-Belenenses (2-2) para a 1ª jornada do Campeonato Nacional e logo “pegou de estaca” na equipa. Conhecido pelo seu feitio “brincalhão” era um dos bons animadores do balneário verde e branco, e logo nessa 1ª época a equipa leonina conquistou a “dobradinha”. Na temporada seguinte (onde se manteve como titular indiscutível) as coisas já não correram tão bem em termos coletivos, salvando-se o triunfo na Supertaça. No final da época, já com 33 anos, acabou por sair. Jogou pela última vez de “leão ao peito” a 5 de Junho de 1983 na última jornada do Campeonato frente ao Vitória de Guimarães (1-0). Uma das suas histórias mais curiosas no Sporting aconteceu num derby frente ao Benfica no dia 2 de Janeiro de 1983. Os leões ganharam por 1-0 com um golo de Jordão. Meszaros teve tão pouco que fazer que, no decorrer da partida, até deu uma “passa” num cigarro oferecido por um fotógrafo que trabalhava atrás da sua baliza! Esteve um total de duas épocas no Sporting realizando 80 jogos e sofrendo 60 golos – é o 6º melhor guarda-redes de sempre do clube em média de golos sofridos (0,75 por jogo). Ganhou 1 Campeonato Nacional, uma Taça de Portugal e uma Supertaça. Jogou depois...

Da Costa – Lateral valoroso marcado pela infelicidade

Fernando José Tomé da Costa nasceu a 11 de Abril de 1953 no Rio de Janeiro – Brasil. Chegou ao Sporting muito jovem (apenas com 21 anos) proveniente do Olaria. Estreou-se oficialmente a 13 de Outubro de 1974 (com o técnico Osvaldo Silva) num Sporting-Atlético CP (6-1) para o Campeonato Nacional. Nessa 1ª temporada disputou o lugar no lado esquerdo da defesa com Carlos Pereira, que fazia a sua última época em Alvalade. Na temporada seguinte, com Juca, tornou-se “dono” do lugar. Marcou o 1º golo a 2 de Outubro de 1975 numa receção aos malteses do Sliema Wanderers (3-1) para a Taça UEFA. No percurso dessa temporada ficou algo marcado pelas incidências dos jogos com o Benfica. Na Luz falhou um penalty que poderia ter lançado os leões para o título (o jogo terminou 0-0 e o Sporting quebrou um ciclo de 8 vitórias consecutivas), e em Alvalade foi expulso muito cedo após uma entrada irrefletida sobre um adversário (e o jogo acabou por terminar com 3-0 para os encarnados…) Em 1976/77, com Jimmy Hagan, voltou a ser protagonista pela positiva, o mesmo acontecendo no início da época seguinte. No entanto, a 29 de Janeiro de 1978, jogou pela última vez pelo Sporting, em Portimão (2-3). Dias após o jogo teve um acidente de viação que o impossibilitou para o futebol. Tinha marcado pela última vez em Guimarães, a 11 de Dezembro de 1977 (1-1). Esteve um total de 4 épocas no Sporting. Fez 89 jogos oficiais e marcou 6 golos. Ganhou uma Taça de Portugal. Foi um lateral-esquerdo de grande resistência física, com um forte pontapé e...

Osvaldinho – Brasileiro consagrado que (ainda) brilhou de leão ao peito

Osvaldo da Silva Maia nasceu a 11 de Abril de 1927. Internacional brasileiro, jogador de grande prestígio no seu país, chegou ao Sporting já do declinar da carreira no Verão de 1956. Veio do América por 190 contos após rumores de que havia jogado “engavetado” (uma expressão brasileira para designar corrompido) numa final do Campeonato Carioca frente ao Flamengo. A verdade é que nunca mais alinhou por clubes brasileiros, mas essa história nunca chegou a estar perto (sequer) de estar provada. Estreou-se oficialmente (com o técnico Abel Picabêa) a 11 de Setembro na 1ª jornada do Campeonato com uma derrota surpreendente frente à Académica (1-3).  Ainda assim pegou “de estaca” na equipa pelo lado esquerdo do meio campo. Na temporada seguinte o Sporting (de Enrique Fernández) chegou ao título e Osvaldinho foi uma das “traves mestras” da equipa, marcando presença em 23 dos 26 jogos dessa campanha. Marcou o 1º golo a 22 de Setembro de 1957 numa receção ao Lusitano de Évora (3-0). 1958/59 foi a sua última época no clube. A afirmação de Fernando Mendes fez David Julius derivar para a esquerda do meio-campo e Osvaldinho perdeu espaço, realizando apenas 10 jogos, o último dos quais a 28 de Maio de 1959 num Sporting-Académica (3-0) para a Taça de Portugal. Esteve um total de 3 épocas no Sporting. Marcou presença em 62 jogos oficiais e apontou 4 golos. Ganhou 1 Campeonato Nacional. Foi um médio de grande classe que passou pelo futebol leonino, jogador que chegou ao Alvalade já maduro mas ainda a tempo de mostrar todas as qualidades de que vinha rotulado e que tinha provado...

2022 – “Dobradinha” na Natação pela 1ª vez na História leonina!

10 de Abril de 2022. A Natação do Sporting CP foi a grande vencedora do Campeonato Nacional de clubes da modalidade, que decorreu neste fim-de-semana no Jamor, ao conquistar pela 1ª vez na História leonina o título de Campeã Nacional tanto em masculinos como em femininos. Os homens, que arrecadaram assim o 9º troféu consecutivo, somaram um total de 915 pontos, superiorizando-se dessa forma aos rivais Benfica (831) e FC Porto (764). Já as mulheres conquistaram o 7º título para o Clube verde e branco – o primeiro desde 2006 – com 930 pontos, depois de superarem o FC Porto (869) e o SA Dafundo (763). Num total de 38 provas disputadas, os atletas sportinguistas venceram 9 + 12 segundos lugares e 8 terceiros lugares. MASCULINOS 1º Sporting CP – 915 pontos 2º SL Benfica – 831 pontos 3º FC Porto – 764 pontos 4º CF “Os Belenenses” – 607 pontos 5º Louletano DC – 592 pontos FEMININOS 1º Sporting CP – 930 pontos 2º FC Porto – 869 pontos 3º SA Dafundo 763 pontos 4º SL Benfica 729 pontos 5º Clube dos Galitos – 657 pontos PRINCIPAIS RESULTADOS VENCEDORES 50 Metros Costas – Alexis Santos (25.48) 100 Metros Costas – Francisco Santos (56.53) 200 Metros Costas – Francisco Santos (2:04.47) 200 Metros Estilos – Alexis Santos (2:03.28) 4×200 Metros Livres (Masculino) – Sporting CP (7:33.99) 4×100 Metros Estilos (Masculino) – Sporting CP (3:45.08) 100 Metros Mariposa – Inês Henriques (1:02.42) 200 Metros Mariposa – Inês Henriques (2:15.36) 4×100 Metros Estilos (Feminino) – Sporting CP (4:17.16) 2ºs LUGARES 100 Metros Livres – Tiago Costa (99 50.78) 1500 Metros Livres – Diogo Cardoso (15:49.81) 200 Metros Bruços – António Mendes...

1994 – Apoteose na Maia com o Tricampeonato Nacional de Voleibol

10 de Abril de 1994. Nesse dia o Sporting sagrou-se tri-campeão nacional de Voleibol. O encontro decisivo disputou-se no pavilhão do Castelo da Maia onde os leões contaram com o apoio entusiástico de algumas dezenas de adeptos. Os apaniguados locais eram milhares, mas os atletas sportinguistas conseguiram silenciá-los. Após uma vitória por 3-0 e uma derrota por 3-2 em Lisboa os leões teriam de ir ganhar à Maia, e assim aconteceu. No 1º destes 2 jogos, realizado no Sábado, 9 de Abril, o Sporting fez uma exibição fantástica triunfando por 3-0 (15-3, 15-11 e 15-10). Com um serviço muito agressivo, receção muito segura e distribuição variada, os ataques sairam demolidores. No dia seguinte os leões fizeram uma partida mais calculista, triunfando, ainda assim, de novo por 3-0 (15-8, 15-11 e 15-8). Em ambas as partidas o 6 base foi formado por Miguel Maia, Luís Cláudio, Wagner Silva, Maurício Cavalcanti, Nilson Leão e Filipe Vitó, com Tzevetan Florov, Teodor Genev, Carlos Silveira e Miguel Soares a entrarem em compita quando o treinador António Rodrigues achou mais conveniente. Carlos Natário, Américo Silva, Marcelo Cavalcanti e José Gonçalves não atuaram desta vez, mas formaram com o adjunto João Correia, o enfermeiro-massagista Vasco Fortunato, o roupeiro Américo Coelho e ainda o diretor Lúcio Freire e os secionistas António Frade e Rui Madeira uma equipa coesa onde todos “remaram” para o mesmo lado atingindo com naturalidade o grande objetivo final. Após o último ponto todo o grupo de trabalho deu largas ao seu entusiasmo num grande abraço coletivo festivo onde não faltou o tradicional champanhe. À noite, num jantar em Espinho, familiares e amigos...

1966 – Golo de Figueiredo derrotou o Porto, para a Taça de Portugal

10 de Abril de 1966. Em jogo a contar para a 1ª mão dos quartos-de-final da Taça de Portugal o Sporting recebeu o FC Porto. Os leões comandavam o Campeonato Nacional, competição que já estavam perto de vencer (viriam a consegui-lo). Na Taça, a equipa de Otto Glória também pretendia chegar longe. Este foi o 1º jogo de 4 consecutivos frente aos portistas num final de época emocionante. A equipa: Carvalho; Morais, Alexandre Baptista e Hilário; Pedro Gomes, Dani e Peres; Carlitos, Lourenço, Figueiredo e Ferreira Pinto. O golo solitário da partida surgiu logo aos 3 minutos, por Figueiredo (foto de arquivo). Até final, apesar de várias tentativas, os leões não conseguiram aumentar a contagem, ficando a decisão da passagem da eliminatória para uma semana depois, nas Antas. Na 2ª mão foram os portistas a vencer pelo mesmo resultado, pelo que houve que recorrer a um 3º jogo (de desempate) em Coimbra, onde os verde e brancos levariam a melhor por...

1949 – Os primeiros Tricampeões Nacionais do Futebol português

10 de Abril de 1949. Neste dia o Sporting “fechou” o Campeonato com um triunfo em Guimarães, frente ao Vitória, por 3-1. Os leões já eram campeões desde a jornada anterior (apesar da derrota no Porto por 2-1), mas havia que terminar a prova mostrando o esplendor duma equipa excecional, e assim aconteceu. Cândido de Oliveira (coadjuvado por Fernando Vaz) era o técnico leonino, tendo feito alinhar neste jogo derradeiro: Azevedo; Octávio Barrosa e Juvenal; Canário, Manecas e João Mateus; Armando Ferreira, Vasques, Sérgio Soares, Serra Coelho e Martins. Com o título já ganho o treinador sportinguista aproveitou para estrear os muito jovens Sérgio Soares (um debute tão memorável quanto efémero) e Serra Coelho. Sérgio Soares marcou os 3 golos leoninos, aos 27, 50 e 89 minutos. O “tento de honra” dos locais foi apontado a um quarto de hora do fim, de penalty, por Franklim. Apesar deste jogo verdadeiramente glorioso para ele, Sérgio só jogaria mais uma vez pelo Sporting (na semana seguinte, para a Taça de Portugal, na que ficou famosa derrota em Santo Tirso…), enquanto Serra Coelho, depois de andar emprestado por outras paragens, teria novas oportunidades em 1952 e 1954. O Sporting terminou o Campeonato (que venceu pela 9ª vez – 5ª no Campeonato Nacional de 1ª divisão) com 5 pontos de avanço do Benfica (naquele que foi o 1º tri-campeonato do Futebol nacional) e 100 golos marcados em 26 jogos! Peyroteo foi o melhor marcador da competição com 39 golos, naquela que foi a sua última temporada no clube e a consequente despedida dos famosos “cinco violinos”. Ao longo de toda a época Canário foi...

Ezequiel Canário – Atleta de bom nível, especialista no Crosse

Ezequiel Mendonça Canário nasceu a 10 de Abril de 1960 em Faro. Cedo começou a dar nas vistas no corta-mato e por isso foi apelidado muitas vezes de “menino prodígio”. Chegou ao Sporting em 1983 (proveniente do Benfica) e por Alvalade ficou até 1986. Contribuiu para 4 títulos europeus de Crosse, nos 2 primeiros anos no 6º lugar, em 1985 no 2º e em 1986 na 4ª posição. Foi também parte integrante da equipa Campeã Nacional de Crosse por 4 vezes e de pista em 1985. Representou (como sénior) a Seleção Nacional por 10 vezes em Campeonatos da Europa e do Mundo, e em 1984 ganhou a medalha de bronze por equipas. No ano anterior havia sido Campeão ibero-americano. Foi Campeão Nacional individual de Crosse por duas vezes, já no Imortal de Albufeira, em 1988 e 1989. Esteve nos Jogos Olímpicos de Los Angeles (5.000 metros) em 1984 e nos de Seul (10.000 metros) em 1988. Atualmente é proprietário da Pastelaria “Canário”, perto do Campus da Penha da Universidade do...

2022 – 5ª Taça de Portugal para o nosso Râguebi feminino

9 de Abril de 2022. A equipa feminina de Râguebi do Sporting conquistou neste sábado, a Taça de Portugal ao vencer a AEES Agrária de Coimbra por 20-10 nas Caldas da Rainha. Com este troféu, a equipa orientada por Filipe Luís atingiu a dobradinha, juntando a Taça de Portugal ao Campeonato Nacional. Foi também a 5ª Taça de Portugal do palmarés do Sporting CP – a primeira em rugby de XV. O Sporting CP, detentor da hegemonia do Râguebi feminino em Portugal ao longo dos últimos anos, começou melhor e conseguiu o primeiro ensaio logo aos 8 minutos por intermédio de Inês Marques, mas a resposta não tardou, pois pouco depois, Inês Spínola foi a autora do ensaio do empate para a AEES Agrária de Coimbra (5-5). O Sporting dominava, mas foi preciso esperar até aos últimos instantes da 1ª parte para ver mais um ensaio. Desta feita foi Beatriz Amaral, após grande esforço de toda a equipa, a finalizar e a levar o Sporting CP na frente por 10-5 para o descanso. No 2º tempo o Sporting voltou a entrar melhor e Leonor Amaral fez o 15-5. Na conversão, Isabel Ozório não falhou e aumentou a diferença para 17-5. Mais uma vez, a AEES Agrária de Coimbra reagiu e reduziu para 17-10, deixando tudo em aberto. O marcador acabou por ficar fechado já nos 10 minutos finais, quando Isabel Ozório, com um pontapé certeiro, apontou o 20-10. Até ao final, o Sporting CP geriu o resultado e assegurou o triunfo na final da Taça de Portugal. A equipa: Joana Morgado (Tânia Semedo 50), Inês Marques, Franciny Amaral, Ana...

2012 – Grande exibição dos pupilos de Sá Pinto (vs. Jorge Jesus) no derby eterno

9 de Abril de 2012. O Sporting recebeu nessa noite o Benfica num jogo fundamental para os encarnados, para quem só a vitória servia para se manterem na luta pelo título. Para os leões havia a hipótese de voltarem ao 4º lugar e claro, um derby é sempre um derby – uma partida recheada de paixão que é fundamental ganhar. Sá Pinto apresentou a seguinte equipa: Rui Patrício; João Pereira, Xandão, Anderson Polga e Insúa; Elias e Schaars (Daniel Carriço 62); Izmailov, Matias Fernández e Diego Capel (André Carillo 89); Van Wolfswinkel (Diego Rubio 73). O Benfica começou melhor perante um Sporting que apostou na tática que vinha sendo habitual perante adversários da mesma igualha – bloco relativamente baixo, grande concentração nas ações defensivas e muita velocidade a sair no contra-ataque. Logo no 1º minuto Anderson Polga foi imprudente e cometeu falta na área sobre Gaitán que André Soares Dias não assinalou. O Benfica dominava mais mas não criava perigo e aos 17 minutos Van Wolfswinkel, após uma saída em velocidade, foi tocado no pescoço por Luisão na área benfiquista. Grande penalidade indiscutível que o holandês transformou no 1-0. 8 minutos depois, em mais uma saída rápida para o ataque, Van Wolfswinkel voltou a sofrer falta na área, agora de Garay, mas o árbitro desta vez não assinalou… O intervalo chegou com 1-0 que premiava o maior pragmatismo e concentração da equipa do Sporting. Na 2ª parte o jogo continuou na mesma toada. Aos 51 minutos Van Wolfswinkel atirou com perigo por cima. No minuto seguinte, após um lance confuso, Insúa salvou sobre a linha aquele que seria o...

1988 – António Morais quebrou invencibilidade do FC Porto

9 de Abril de 1988. Num percurso muito abaixo do exigível no Campeonato Nacional o Sporting conseguiu finalmente dar uma alegria de monta aos seus adeptos na receção ao” já mais” que campeão e até aí invicto FC Porto. O Sporting lutava por um lugar europeu e pela honra numa altura em que a equipa já era treinada por António Morais após o “flop” Burkinshaw. Em Alvalade, com uma assistência numerosa, numa noite fria, os leões alinharam com: Damas; João Luiz, Duílio, Morato e Fernando Mendes; Oceano (cap); Litos, Tony Sealy, Mário Jorge e Lima (Venâncio); Paulinho Cascavel. O Sporting teve uma enorme virtude neste encontro – a rapidez do seu futebol. Jogando sempre em grande velocidade os leões obrigaram o FC Porto a manter-se quase sempre no seu meio-campo. Sem ter sido um grande 1º tempo pertenceram ao Sporting as melhores jogadas e as poucas oportunidades de golo. O FC Porto jogou “do alto do seu pedestal”, deixando (ou sendo obrigado a deixar) o Sporting fazer as despesas do jogo. Os leões inauguraram o marcador no 1º minuto da 2ª parte. Lima conseguiu esgueirar-se pelo seu flanco (esquerdo), foi à linha e cruzou bem para Paulinho Cascavel, que com um remate potente e muito bem colocado ao ângulo superior esquerdo da baliza do polaco Mlynarczyk obteve um excelente golo. 6 minutos depois houve grandes dúvidas na área leonina, com um presumível derrube a Rui Barros, numa das raras escapadelas dos nortenhos para o ataque. Faltavam 16 minutos para jogar quando Mário Jorge marcou um pontapé de canto muito chegado à baliza portista – a bola tocou no peito de...
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.