Álvaro Cardoso

Álvaro Cardoso da Silva nasceu a 14 de Janeiro de 1914 em Setúbal. Começou muito cedo a jogar Futebol e muito cedo também chegou à principal categoria do Vitória onde desde logo mostrou um grande espírito de liderança.

O Benfica tentou contratá-lo mas foi o Sporting que o conseguiu, por 5 contos, após demoradas negociações.  A 14 de Fevereiro de 1939 assinou finalmente pelos leões (curiosamente no mesmo dia que o ciclista José Albuquerque, o popular “Faísca”).

Estreou-se oficialmente de leão ao peito no dia 2 de Abril de 1939 num Sporting-Casa Pia (5-1) a contar para o 1º Campeonato Nacional.

Era um homem de grande carisma e a liderança estava-lhe nos genes. Ainda assim, só em 1942/43 chegou a capitão da equipa porque quem lá estava até aí era o não menos carismático Rui de Araújo. A sua prevalência era tal sobre os colegas que chegou, numa ou outra ocasião, a esbofetear companheiros por erros cometidos em jogo que ele considerava inadmissíveis! Era por isso conhecido por ser muito “rabujento” em campo, sobretudo com o guarda-redes Azevedo a quem chegava a insultar com o objetivo de lhe dar incentivo! No final das partidas tudo terminava em pedidos de desculpas e cumprimentos. Autoritário, tinha uma entrega sem limites ao jogo mas todos os adversários lhe reconheciam lealdade e correção.

Ficou para sempre com o epíteto de “suporte dos violinos”, pois a sua forte presença na defesa era essencial para libertar os “artistas” para as missões ofensivas.

Nos primeiros anos de Sporting foi defesa-esquerdo (ao lado de Mário Galvão, Rui de Araújo e Octávio Barrosa), passando depois para a direita a partir de 1943/44 (fazendo dupla com Manecas – durante vários anos, e na última temporada com Juvenal).

Esteve um total de 10 temporadas no Sporting, sempre em destaque, alinhando em 254 partidas oficiais e fazendo 3 golos, o 1º dos quais a 2 de Fevereiro de 1941 num Sporting-Belenenses (3-1).

O seu último jogo foi a final da Taça de Portugal disputada a 4 de Julho de 1948 e ganha ao Belenenses (3-1)

Conquistou 14 títulos – 4 Campeonatos Nacionais, 4 Taças de Portugal e 6 Campeonatos Regionais.

Foi 13 vezes internacional e por causa da seleção teve um desentendimento grave com a PIDE após a célebre derrota por 10-0 frente à Inglaterra em Maio de 1947. Dizia-se que os jogadores tinham exigido um prémio de jogo a que a FPF não atendera e que o capitão fôra o principal impulsionador dum suposto motim que envolveu a falta de empenho nesse jogo. O governo de Salazar impôs-lhe 1 ano de suspensão que ficou depois reduzido a 6 meses. A partir daí ficou conhecido como “O grande capitão”.

Nos gloriosos anos do tetra-Campeonato sportinguista, entre 1951 e 1954, foi adjunto de Randolph Galloway nos primeiros 3 e chegou a treinador principal na última época, posto que ocupou entre Outubro e Dezembro de 1953.

Morreu a 12 de Maio de 2004.

ÁLVARO CARDOSO como treinador do SPORTING
ÉPOCA J V E D GM GS % TÍTULOS
1953/54 10 6 1 3 24 13 65% CN

Post to Twitter

Deixe o seu comentário