Tonel – Capacidade aérea nas duas áreas

António Leonel Vilar Nogueira Sousa, conhecido no mundo do futebol por Tonel, nasceu a 13 de Abril de 1980 em Lourosa. Começou no Sporting de Espinho mas muito cedo se juntou às equipas jovens do FC Porto onde fez um trajeto interessante. Chegado aos seniores, andou pela equipa B dos portistas até ser emprestado à Académica (onde permaneceu 4 anos). Chegou ao Sporting, proveniente do Marítimo (onde fez uma boa época), no Verão de 2005. Estreou-se oficialmente (com José Peseiro) a 19 de Agosto num Sporting-Belenenses (2-1) para a 1ª jornada do Campeonato. A 20 de Dezembro marcou pela 1ª vez, frente ao Rio Ave (3-0). Logo nessa temporada ganhou a titularidade (fazendo dupla com Anderson Polga), assumindo-se mesmo como um das revelações do ano pelas capacidades demonstradas (sobretudo no jogo aéreo, e tanto no plano defensivo como no ofensivo). Na temporada seguinte continuou em bom nível mas uma lesão a meio do percurso fê-lo perder a titularidade (que não mais recuperou) para Caneira, faltando à parte decisiva da época na qual o Sporting realizou uma magnífica campanha quedando-se apenas a 1 ponto do título e ganhando a Taça de Portugal. Em 2007/08 voltou a ser protagonista, somando 52 jogos oficiais e 6 golos, provando mais uma vez ser um jogador de raça e contribuindo para os triunfos na Supertaça e Taça de Portugal. Na temporada seguinte a história de 2 anos antes repetiu-se, e tendo começado como titular, uma lesão fê-lo perder o lugar para Daniel Carriço (que aproveitou para lançar-se). 2009/10 foi a sua última temporada no clube fazendo dupla com Daniel Carriço no eixo defensivo e...

Armando Manhiça – Central de grande envergadura física

Armando António dos Santos Manhiça nasceu a 12 de Abril de 1943 em Lourenço Marques – Moçambique. Começou por representar a Académica de Chamanculo e depois o Sporting de Lourenço Marques, antes de chegar ao Sporting Clube de Portugal para a temporada 1964/65. Só se estreou  a 27 de Junho (com o técnico Armando Ferreira), no penúltimo jogo da época, em Alvalade, frente ao Vitória de Setúbal (1-1) para a Taça de Portugal. No ano seguinte não chegou a jogar qualquer partida oficial. Em 1966/67, finalmente, começou a alinhar com alguma regularidade (13 presenças), como defesa-central. Na temporada seguinte, com Fernando Caiado, afirmou-se na equipa titular realizando 34 jogos, e fazendo dupla de centrais com o consagrado José Carlos. Coletivamente é que as coisas não correram muito bem, pois os leões perderam a liderança do Campeonato nas 3 derradeiras jornadas. Em 1968/69 voltou a ser protagonista, sendo dos elementos mais utilizados da equipa. No entanto, na época seguinte, com o regresso de Caló (que estava emprestado ao União de Tomar), perdeu a titularidade, a ponto de não fazer uma única partida. Assim, acabou por sair – no Verão de 1970, para o FC Porto.  A sua última partida oficial de verde e branco aconteceu a 8 de Junho de 1969 em Alvalade frente à Académica (1-2) para a Taça de Portugal. Esteve um total de 6 épocas no Sporting (se bem que em duas delas, 65/66 e 69/70, não tenha chegado a ser utilizado). Fez 82 jogos oficiais (não marcou golos) e não ganhou qualquer título. Deixou a imagem de um central com excelente pujança física, mas alguma irregularidade....

Da Costa – Lateral valoroso marcado pela infelicidade

Fernando José Tomé da Costa nasceu a 11 de Abril de 1953 no Rio de Janeiro – Brasil. Chegou ao Sporting muito jovem (apenas com 21 anos) proveniente do Olaria. Estreou-se oficialmente a 13 de Outubro de 1974 (com o técnico Osvaldo Silva) num Sporting-Atlético CP (6-1) para o Campeonato Nacional. Nessa 1ª temporada disputou o lugar no lado esquerdo da defesa com Carlos Pereira, que fazia a sua última época em Alvalade. Na temporada seguinte, com Juca, tornou-se “dono” do lugar. Marcou o 1º golo a 2 de Outubro de 1975 numa receção aos malteses do Sliema Wanderers (3-1) para a Taça UEFA. No percurso dessa temporada ficou algo marcado pelas incidências dos jogos com o Benfica. Na Luz falhou um penalty que poderia ter lançado os leões para o título (o jogo terminou 0-0 e o Sporting quebrou um ciclo de 8 vitórias consecutivas), e em Alvalade foi expulso muito cedo após uma entrada irrefletida sobre um adversário (e o jogo acabou por terminar com 3-0 para os encarnados…) Em 1976/77, com Jimmy Hagan, voltou a ser protagonista pela positiva, o mesmo acontecendo no início da época seguinte. No entanto, a 29 de Janeiro de 1978, jogou pela última vez pelo Sporting, em Portimão (2-3). Dias após o jogo teve um acidente de viação que o impossibilitou para o futebol. Tinha marcado pela última vez em Guimarães, a 11 de Dezembro de 1977 (1-1). Esteve um total de 4 épocas no Sporting. Fez 89 jogos oficiais e marcou 6 golos. Ganhou uma Taça de Portugal. Foi um lateral-esquerdo de grande resistência física, com um forte pontapé e...

José Leandro

José Leandro nasceu a 5 de Abril de 1899. Chegou ao Sporting no defeso de 1921 proveniente dum modesto clube lisboeta – o Palmense FC. Estreou-se oficialmente (com o treinador Augusto Sabbo e simultaneamente a Filipe dos Santos) no dia 13 de Novembro de 1921, no Campo Grande, numa receção ao CIF (3-0) para a 1ª jornada do Campeonato Regional. Na ocasião fez também o seu 1º golo. Nessa 1ª temporada foi o titular na posição de extremo-esquerdo, estando presente nas decisões do Regional (que o Sporting venceu pela 3ª vez) e do 1º Campeonato de Portugal. Na temporada seguinte as coisas correram ainda melhor! Para além de ter mantido o seu estatuto na equipa, José Leandro pôde festejar não só o 4º Regional para o clube como a conquista do 1º Campeonato de Portugal da História do Sporting! Augusto Sabbo mudou de ideias no ano que se seguiu, colocando agora José Leandro como médio-direito, posição na qual o futebolista leonino voltou a dar boa conta. Julius Lelovitch (o treinador em 1924/25) foi da mesma opinião, e os leões conquistaram o seu 5º Regional. Mantendo uma impressionante regularidade com presença em quase todos os jogos oficiais ao longo dos anos, José Leandro foi ainda mais recuado no terreno para 1926/27 (Augusto Sabbo regressara ao comando técnico da equipa) – agora jogava como defesa-direito, fazendo dupla com Jorge Vieira. A 27 de Março de 1927 fez o seu último golo pelo Sporting – num jogo de má memória (derrota por 3-1 que decidiu o Regional a favor do Vitória de Setúbal). Nas duas épocas que se seguiram passou a suplente –...

Pacheco – “O macaense”, que passou de avançado-centro a defesa

Joaquim Pedro Pacheco nasceu a 30 de Março de 1926 em Macau (colónia portuguesa na altura). Começou por jogar no Argonauta, no entanto, a partir de certa altura, os campeonatos de futebol pararam por problemas políticos e dedicou-se ao “jogo da bolinha”, uma espécie de futebol de 7 jogado com uma bola de dimensões mais reduzidas. Com 20 anos ingressou na polícia e passou a alinhar no Desportivo da Polícia de Macau onde se revelou um avançado temível. Veio de Macau para o Sporting em Maio de 1950 (por responsabilidade de António da Conceição – antigo atleta leonino – também macaense), num período em que ainda se vivia no “trauma” pós-Peyroteo. Rotulado de avançado-centro possante marcou muitos golos nos primeiros jogos (amigáveis) em que atuou. Estreou-se oficialmente (com o treinador Randolph Galloway) a 17 de Setembro de 1950 num Benfica-Sporting (1-3) realizado no Estádio Nacional. Marcou o 1º golo (bisou) a 22 de Outubro na Covilhã (triunfo por 3-2). Nessa época o Sporting foi Campeão Nacional pela 6ª vez. Joaquim Pacheco foi reserva de Mário Wilson, mas, ainda assim, marcou 6 golos em 9 jogos. Para a temporada seguinte Galloway adaptou-o a defesa. Foi uma época de transição, em que jogou apenas 10 vezes (voltou a ser campeão), mas no ano seguinte afirmou-se definitivamente como um defesa-esquerdo de grande valor, sendo protagonista (30 presenças em todas as competições) da equipa que se sagrou tri-campeã nacional. No final da temporada contraiu uma lesão gravíssima que o deixou afastado dos campos de futebol mais de 1 ano, pelo que na época 1953/54 não chegou a atuar oficialmente. Apesar disso, reassumiu todo o...

Rui Jorge – O esquerdino fiável de personalidade forte

Rui Jorge de Sousa Dias Macedo de Oliveira nasceu a 27 de Março de 1973 em Vila Nova de Gaia. Oriundo das camadas jovens do FC Porto, esteve uma época emprestado ao Rio Ave, impondo-se depois nos portistas, clube pelo qual chegou a internacional (duas vezes). Chegou ao Sporting no defeso de 1998 envolvido numa troca de jogadores entre leões e dragões. Rui Jorge e Bino vieram para Alvalade, enquanto Costinha e Peixe fizeram o caminho inverso. Graças a ele os sportinguistas vieram a considerar essa transação bem proveitosa para as suas cores. Estreou-se oficialmente (sob o comando de Mirko Jozic) a 24 de Agosto de 1998 no Vitória de Setúbal-Sporting (1-1) para a 1ª jornada do Campeonato Nacional, tendo marcado o 1º golo a 13 de Dezembro do mesmo ano numa receção ao Braga (4-1). Nessa 1ª temporada entre os leões jogou preferencialmente no lado esquerdo do meio campo e não foi um titular indiscutível (27 presenças). No ano seguinte, com Inácio, voltou à sua posição preferencial (de onde nunca mais saiu) na esquerda da defesa, tornando-se protagonista na equipa – situação que manteve enquanto permaneceu em Alvalade, até ao final da temporada 2004/05 (até ao termo da carreira só fez mais uma época, no Belenenses – onde iniciou o percurso de treinador). Jogou pela última vez a 22 de Maio de 2005 num Sporting-Nacional da Madeira (2-4), partida derradeira duma semana terrível para a equipa, que de poder ser Campeã Nacional e ganhar a Taça UEFA, acabou sem qualquer título. No total esteve 7 épocas no Sporting tendo realizado 243 jogos e marcado 5 golos. Ganhou 2...

Leal – Lateral regular e eficaz

José Martins Leal nasceu a 23 de Março de 1965 em Luanda – Angola. Começou nos Repesenses e passou ainda pelo Viseu e Benfica antes de dar nas vistas no Académico de Viseu. Chegou ao Sporting proveniente da turma viseense no Verão de 1989. Estreou-se oficialmente no Sporting-Nápoles (0-0) para a Taça UEFA. A sua posição de origem era a de defesa-central, mas Manuel José começou a utilizá-lo como lateral-esquerdo (Venâncio, Luizinho e Miguel garantiam eficácia no eixo defensivo) e por aí se fixou. Logo na 1ª época foi o defesa-esquerdo mais utilizado da equipa com 20 presenças. Marcou o 1º golo já na época seguinte, na Amadora, a 29 de Setembro de 1990 (tento decisivo, nos últimos minutos, no triunfo por 2-1 da equipa de Marinho Peres, que somava vitórias no início do Campeonato). Nessa temporada foi, a par de Gomes, o futebolista mais utilizado da equipa (50 jogos), conseguindo fazer 5 golos. Futebolista regular e muito utilizado independentemente dos treinadores que iam passando pela equipa, voltou a ser dos mais efetivos em 1991/92 (a par Ivkovic, Figo e Cadete) com 38 jogos oficiais. Mais uma vez fez 5 golos. Com Bobby Robson, em 1992/93, manteve a titularidade. Marcou o último golo a 2 de Maio de 1993 num triunfo em Guimarães por 3-2. Curiosamente, o seu substituto natural – Paulo Torres, marcou aí pela 1ª vez. No ano seguinte Paulo Torres afirmou-se definitivamente e Leal jogou pouco (apenas 9 jogos), acabando dispensado. Alinhou pela última vez de verde e branco a 2 de Junho de 1994 na última jornada do Campeonato frente ao Paços de Ferreira (3-1)....

Morato – A sobriedade como trunfo

António Henriques Morato nasceu a 20 de Março de 1937 em Lisboa. Começou no Charneca, mas chegou ao Sporting ainda nas camadas jovens. Estreou-se oficialmente na equipa principal (com o treinador Enrique Fernández) a 25 de Janeiro de 1959 num Sporting-Lusitano de Évora (3-1) para o Campeonato. Logo nessa 1ª temporada foi bastante utilizado (17 presenças) como alternativa a Galaz no posto de defesa/médio centro. Na temporada seguinte voltou a jogar com alguma regularidade (sem ser titular), mas em 1960/61, com Alfredo González (primeiro) e Otto Glória (depois), foi o jogador mais utilizado na sua posição (28 jogos), o mesmo acontecendo na época seguinte, na qual, finalmente, se sagrou Campeão Nacional (com Juca). Em 1963/63 perdeu o lugar para o luso-brasileiro Lúcio, jogando muito menos que nas épocas anteriores. Ainda assim valeu o título coletivo na Taça de Portugal. No ano seguinte esteve emprestado ao Vitória de Setúbal, regressando em 1964/65 para fazer a sua última época de “leão ao peito”. A 30 de Junho de 1965 jogou pela última vez pelo Sporting numa derrota por 2-0 com o Vitória de Setúbal para a Taça de Portugal. Esteve um total de 6 épocas no clube tendo realizado 106 jogos oficiais (curiosamente nunca fez nenhum golo). Ganhou 1 Campeonato Nacional e uma Taça de Portugal. Foi um bom defesa, que sem exuberâncias nem grandes momentos de brilhantismo conquistava (pela sua regularidade e sobriedade) a confiança dos seus treinadores. Depois passou por Lusitano de Évora e Oriental. Foi uma vez internacional A. O seu filho, também António Morato, também defesa e também internacional A, foi uma das figuras da equipa do...

Duílio – Central de pontapé fortíssimo

Duílio Dias Júnior nasceu a 13 de Março de 1957 em Curitiba – Brasil. Começou a jogar futebol e a conquistar títulos no clube da sua terra (ele é filho do maior goleador da História do clube), passando depois por Portuguesa, América e Fluminense (onde teve grande sucesso individual e coletivo). Chegou ao Sporting proveniente do “Tricolor” no Verão de 1985. Era tido como um central possante, “autoritário”, de grande craveira. Estreou-se oficialmente a 28 de Setembro num Sporting-Académica (2-0) para o Campeonato. Nessa 1ª temporada, sob o comando de Manuel José, não conseguiu ganhar a titularidade no centro da defesa (que pertencia à dupla Venâncio-Morato). Pareceu sentir alguns problemas de adaptação ao futebol europeu (bem mais intenso que o brasileiro) e ele não era propriamente um jogador rápido. Ainda assim realizou 16 jogos. Na época seguinte, com Manuel José (primeiro) e Keith Burkinshaw (depois) foi mais utilizado, começando a demonstrar a sua apetência de remate, fortíssimo e muitas vezes colocado. Marcou o 1º golo a 18 de Janeiro de 1987 num triunfo (3-2) no terreno do Oriental para a Taça de Portugal. 1987/88 foi a sua melhor e, paradoxalmente, última época de verde e branco. Habitualmente titular (40 presenças), fez dupla com Morato e apontou 4 golos, contribuindo para o triunfo na Supertaça. A sua última partida realizou-se a 5 de Junho de 1988 frente ao Penafiel (7-0), tendo marcado 1 golo na despedida. Nessa altura surgiu o presidente Jorge Gonçalves que promoveu uma grande mudança no plantel. Totalizou 3 épocas, 81 jogos oficiais e 6 golos pelo Sporting, ao serviço do qual ganhou uma Supertaça. Saiu de...

José Eduardo

José Eduardo Malheiro Sampaio nasceu a 3 de Março de 1955 em Seixas do Minho – Caminha. Com 14 anos já fazia Atletismo no Sporting, mas foi no Domingos Sávio que começou a jogar futebol, passando depois por Atlético CP, Portimonense e Famalicão, antes de alinhar de verde e branco. A sua chegada a Alvalade (no Verão de 1979) criou algum “frisson”, pois, na temporada anterior, num choque entre si e Jordão, o magnífico atacante sportinguista contraíra uma gravíssima lesão. Estreou-se oficialmente, pela mão do técnico Rodrigues Dias, a 9 de Setembro de 1979 num Marítimo-Sporting (0-3). Nessa 1ª temporada não começou por jogar muito assiduamente, fazendo-o mais a partir da saída do outro lateral-direito, Artur, para os EUA (já com o treinador Fernando Mendes). No final da época sagrou-se campeão (alinhou em 14 jogos). Sem nunca ser um titular indiscutível sempre constituiu uma boa alternativa, ajudando a conquistar em 1982 a “dobradinha” (aí com Allison). 1982/83 foi a sua última temporada em Alvalade onde ganhou mais uma Supertaça. Jogou pela última vez em Braga (derrota por 3-0) a 20 de Março de 1983. Totalizou 4 épocas e 50 jogos (sem golos marcados) pela equipa principal do Sporting, pela qual ganhou 2 Campeonatos Nacionais, uma Taça de Portugal e outra Supertaça. Após a sua saída do clube representou o Penafiel, onde viria a terminar a carreira de futebolista. Mais tarde foi um dos pioneiros do Futsal no nosso país, do qual foi selecionador, tendo conquistado um Campeonato Europeu e o 4º lugar no Campeonato do Mundo. Em 1991, como treinador do Sporting, venceu a Taça Nacional de Futebol de...
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.