2019 – Octocampeões nacionais de Natação!

14 de Abril de 2019. A equipa masculina de Natação do Sporting Clube de Portugal sagrou-se neste domingo octacampeã nacional da modalidade no Complexo de Piscinas do Jamor. O conjunto de Alvalade conquistou o título que já não foge ao clube desde 2011/12 e adicionou mais um troféu ao Museu Sporting. No duelo feminino, o Sporting CP terminou na 2ª posição. No final do primeiro dia os leões lideravam com 343 pontos, estando à frente de SL Benfica (315) e FC Porto (274). Este domingo, o Sporting CP continuou em grande e foi controlando e aumentando a vantagem com naturalidade. No final, os atletas de Carlos Cruchinho conseguiram 746 pontos, amealhando uma vantagem de 57 pontos sobre as águias. Em grande destaque estiveram os atletas que disputaram a estafeta de 4×100 metros estilos, que bateram o recorde nacional absoluto ao nadarem em 3m44,22s. Alexis Santos, um dos participantes nessa prova, bateu outro recorde nacional com a marca de 25,44s nos 50 metros costas. A estafeta de 4×200 metros livres tambéu bateu o recorde nacional absoluto ao nadar em 7m26,26s, o que fez cair a marca conseguida pelos leões em 2017 (7m27,46s). João Vital também conseguiu uma marca de registo nos 400 metros estilos, completando a prova em 4m17,76s e confirmando a presença no Mundial que se vai realizar em Julho na cidade sul-coreana de Gwangju. As leoas sagraram-se vice-campeãs nacionais, terminando a prova atrás do Sport Algés e Dafundo, que triunfou pelo terceiro ano consecutivo. O Sporting CP somou 716 pontos, menos 49 que o clube do concelho de Oeiras. Classificação coletiva masculina: 1.º Sporting CP 746 pontos 2.º...

1958 – Campeões Nacionais de Badminton

14 de Abril de 1958. No 2º Campeonato Nacional da modalidade o Sporting sagrou-se Campeão, coroando uma época de sucessivos triunfos. O eterno rival Benfica classificou-se em 2º lugar, tendo os leões batido as águias por 5-2 no último jogo. Os elementos que constituíram a nossa equipa foram René Perlico (cap), Nolasco Silva, José Trigo da Silva, Francisco Lemos, Fernando Pinto e Moreira da Silva. A prova concluiu-se neste dia, data em que o Sporting defrontou sucessivamente o GD Direito e o Benfica. Além destas 3 equipas participaram na competição o Lisboa Ginásio e a Académica de Coimbra. A prova decorreu com interesse, tendo o Sporting confirmado o título do Regional, alcançado pouco tempo antes. Na meia-final os leões venceram o GD Direito por 5-2, triunfando depois na final sobre o Benfica pelo mesmo...

1986 – Título “roubado” ao Benfica

13 de Abril de 1986. O Sporting, de Manuel José, fez uma boa ponta final de Campeonato vencendo os últimos 5 jogos. Na penúltima partida da prova os leões deslocaram-se à Luz para defrontar o Benfica que tinha mais 2 pontos que o FC Porto mas desvantagem no confronto direto. Assim, para os encarnados a vitória seria importantíssima e o empate o menos mau. A derrota poderia ser praticamente o fim das esperanças, se aliada a uma vitória do FC Porto em Setúbal, o que se viria a verificar. Com um Estádio da Luz cheio, numa tarde sol, o Sporting jogou com: Damas; Gabriel, Venâncio, Morato e Romeu; Oceano; Jaime Pacheco, Carlos Xavier (Duílio) e Sousa; Manuel Fernandes (cap) (Mário Jorge) e Meade. O Sporting entrou na partida com uma excelente disposição com vista a vingar a pesada derrota sofrida no mesmo palco poucas semanas antes para a Taça de Portugal. Surpreendeu muita gente a demonstração de classe dada pelos leões desde o apito inicial do árbitro, mas a equipa leonina, mostrando o grande profissionalismo dos seus futebolistas, não veio para este jogo para fazer “favores” a quem quer que fosse, optando, isso sim, por fazer o seu jogo que em diversas fases da temporada se concluiu ter grande potencial. Logo aos 12 minutos começou a desenhar-se a “tragédia” para os encarnados. Na sequência dum passe em profundidade para as costas da defensiva encarnada, Morato arrancou de forma soberba vindo de trás e atirou a contar para o melhor sítio. 12 minutos depois o Sporting aumentou a contagem por Manuel Fernandes, que conseguiu perfurar a defensiva adversária e bateu Bento à...

1980 – Triunfo no derby, na caminhada para o título!

13 de Abril de 1980. 24ª jornada do Campeonato Nacional de Futebol. O Sporting, em luta com o FC Porto pelo título, recebeu o Benfica (que nesta tarde ficou definitivamente arredado). Os leões estavam no 2º lugar, muito perto dos portistas, e perder pontos era proibido. Sob o comando de Fernando Mendes, a equipa: Vaz; José Eduardo, Bastos, Menezes e Barão; Eurico; Fraguito (Lito 75) e Marinho; Manuel Fernandes, Manoel e Jordão. Choveu “a cântaros” em Alvalade. O Sporting realizou uma excelente 1ª parte marcando aos 24 minutos por Jordão e aos 36 por Manuel Fernandes. Para a 2ª parte os leões entraram com a disposição de gerir o jogo e o cansaço, mas os forasteiros reduziram, por Diamantino, aos 78 minutos. Quando as coisas pareciam ficar um pouco “tremidas”, surgiu Jordão (de penalty) a descansar as hostes sportinguistas, aos 81 minutos. Os leões ficaram obviamente satisfeitos com mais um triunfo fundamental na luta pelo título. Algo surpreendentes foram as declarações do benfiquista Diamantino: “Agora só faço votos para que o Sporting seja campeão, era a melhor resposta às bocas nortenhas… E julgo que, depois deste animador resultado podem ganhar nas Antas, que o FC Porto não pratica nada um futebol de outro planeta…”. Na verdade o Sporting não ganharia nas Antas (empatou, porque não o deixaram fazer mais), mas o título foi verde e...

2015 – Tetracampeões nacionais em Natação masculina

12 de Abril de 2015. A equipa masculina do Sporting terminou o Campeonato Nacional de Clubes da 1.ª Divisão, que se realizou durante o fim-de-semana nas Piscinas do Jamor, no 1º lugar, assegurando assim o tetracampeonato nacional (4ª título no total). Os leões conseguiram um total de 132 pontos, mais 5 do que o Estrelas São João de Brito (127). Completaram a classificação FC Porto, Famalicão (ambos com 94), Náutico/Urgicentro-Sanfil (88), Naval Amorense (78), Colégio Vasco da Gama (69) e Amadora (2). Em termos individuais, destaque para as vitórias de Pedro Pinotes (200 metros mariposa, 200 metros estilos e 400 metros estilos), Alexis Santos (100 metros livres e 100 metros mariposa) e da estafeta de 4×200 metros livres, que estabeleceu um novo recorde nacional sénior e absoluto. As vitórias leoninas ao longo da competição: 100m livres – Alexis Santos –  50,19s 4x200m livres – Guilherme Dias, Mário Bonança, Pedro Pinotes e Alexis Santos – 7m31,41s 100m mariposa – Alexis Santos – 54,55s 200m mariposa – Pedro Pinotes – 2m03,27s 200m estilos – Pedro Pinotes – 2m04,23s 400 m estilos – Pedro Pinotes – 4m24,99s Bernardo Graça, Igor Mogne, Alexandre Ribas e Miguel Cruchinho também contribuiram para este feito histórico. Depois da conquista o treinador Carlos Cruchinho confessou ter sido um dos títulos mais difíceis de vencer: “Foi um título muito difícil. Fomos arrasadores, não demos a mínima hipótese. Os atletas superaram-se e a prova disso é que acabaram uma competição destas com o recorde nacional (4×200 metros livres). Estou muito contente, soube melhor que o 1º campeonato que vencemos porque foi muito difícil e muito bem conseguido”. Apesar de...

2022 – “Dobradinha” na Natação pela 1ª vez na História leonina!

10 de Abril de 2022. A Natação do Sporting CP foi a grande vencedora do Campeonato Nacional de clubes da modalidade, que decorreu neste fim-de-semana no Jamor, ao conquistar pela 1ª vez na História leonina o título de Campeã Nacional tanto em masculinos como em femininos. Os homens, que arrecadaram assim o 9º troféu consecutivo, somaram um total de 915 pontos, superiorizando-se dessa forma aos rivais Benfica (831) e FC Porto (764). Já as mulheres conquistaram o 7º título para o Clube verde e branco – o primeiro desde 2006 – com 930 pontos, depois de superarem o FC Porto (869) e o SA Dafundo (763). Num total de 38 provas disputadas, os atletas sportinguistas venceram 9 + 12 segundos lugares e 8 terceiros lugares. MASCULINOS 1º Sporting CP – 915 pontos 2º SL Benfica – 831 pontos 3º FC Porto – 764 pontos 4º CF “Os Belenenses” – 607 pontos 5º Louletano DC – 592 pontos FEMININOS 1º Sporting CP – 930 pontos 2º FC Porto – 869 pontos 3º SA Dafundo 763 pontos 4º SL Benfica 729 pontos 5º Clube dos Galitos – 657 pontos PRINCIPAIS RESULTADOS VENCEDORES 50 Metros Costas – Alexis Santos (25.48) 100 Metros Costas – Francisco Santos (56.53) 200 Metros Costas – Francisco Santos (2:04.47) 200 Metros Estilos – Alexis Santos (2:03.28) 4×200 Metros Livres (Masculino) – Sporting CP (7:33.99) 4×100 Metros Estilos (Masculino) – Sporting CP (3:45.08) 100 Metros Mariposa – Inês Henriques (1:02.42) 200 Metros Mariposa – Inês Henriques (2:15.36) 4×100 Metros Estilos (Feminino) – Sporting CP (4:17.16) 2ºs LUGARES 100 Metros Livres – Tiago Costa (99 50.78) 1500 Metros Livres – Diogo Cardoso (15:49.81) 200 Metros Bruços – António Mendes...

1994 – Apoteose na Maia com o Tricampeonato Nacional de Voleibol

10 de Abril de 1994. Nesse dia o Sporting sagrou-se tri-campeão nacional de Voleibol. O encontro decisivo disputou-se no pavilhão do Castelo da Maia onde os leões contaram com o apoio entusiástico de algumas dezenas de adeptos. Os apaniguados locais eram milhares, mas os atletas sportinguistas conseguiram silenciá-los. Após uma vitória por 3-0 e uma derrota por 3-2 em Lisboa os leões teriam de ir ganhar à Maia, e assim aconteceu. No 1º destes 2 jogos, realizado no Sábado, 9 de Abril, o Sporting fez uma exibição fantástica triunfando por 3-0 (15-3, 15-11 e 15-10). Com um serviço muito agressivo, receção muito segura e distribuição variada, os ataques sairam demolidores. No dia seguinte os leões fizeram uma partida mais calculista, triunfando, ainda assim, de novo por 3-0 (15-8, 15-11 e 15-8). Em ambas as partidas o 6 base foi formado por Miguel Maia, Luís Cláudio, Wagner Silva, Maurício Cavalcanti, Nilson Leão e Filipe Vitó, com Tzevetan Florov, Teodor Genev, Carlos Silveira e Miguel Soares a entrarem em compita quando o treinador António Rodrigues achou mais conveniente. Carlos Natário, Américo Silva, Marcelo Cavalcanti e José Gonçalves não atuaram desta vez, mas formaram com o adjunto João Correia, o enfermeiro-massagista Vasco Fortunato, o roupeiro Américo Coelho e ainda o diretor Lúcio Freire e os secionistas António Frade e Rui Madeira uma equipa coesa onde todos “remaram” para o mesmo lado atingindo com naturalidade o grande objetivo final. Após o último ponto todo o grupo de trabalho deu largas ao seu entusiasmo num grande abraço coletivo festivo onde não faltou o tradicional champanhe. À noite, num jantar em Espinho, familiares e amigos...

1949 – Os primeiros Tricampeões Nacionais do Futebol português

10 de Abril de 1949. Neste dia o Sporting “fechou” o Campeonato com um triunfo em Guimarães, frente ao Vitória, por 3-1. Os leões já eram campeões desde a jornada anterior (apesar da derrota no Porto por 2-1), mas havia que terminar a prova mostrando o esplendor duma equipa excecional, e assim aconteceu. Cândido de Oliveira (coadjuvado por Fernando Vaz) era o técnico leonino, tendo feito alinhar neste jogo derradeiro: Azevedo; Octávio Barrosa e Juvenal; Canário, Manecas e João Mateus; Armando Ferreira, Vasques, Sérgio Soares, Serra Coelho e Martins. Com o título já ganho o treinador sportinguista aproveitou para estrear os muito jovens Sérgio Soares (um debute tão memorável quanto efémero) e Serra Coelho. Sérgio Soares marcou os 3 golos leoninos, aos 27, 50 e 89 minutos. O “tento de honra” dos locais foi apontado a um quarto de hora do fim, de penalty, por Franklim. Apesar deste jogo verdadeiramente glorioso para ele, Sérgio só jogaria mais uma vez pelo Sporting (na semana seguinte, para a Taça de Portugal, na que ficou famosa derrota em Santo Tirso…), enquanto Serra Coelho, depois de andar emprestado por outras paragens, teria novas oportunidades em 1952 e 1954. O Sporting terminou o Campeonato (que venceu pela 9ª vez – 5ª no Campeonato Nacional de 1ª divisão) com 5 pontos de avanço do Benfica (naquele que foi o 1º tri-campeonato do Futebol nacional) e 100 golos marcados em 26 jogos! Peyroteo foi o melhor marcador da competição com 39 golos, naquela que foi a sua última temporada no clube e a consequente despedida dos famosos “cinco violinos”. Ao longo de toda a época Canário foi...

2012 – Grande exibição dos pupilos de Sá Pinto (vs. Jorge Jesus) no derby eterno

9 de Abril de 2012. O Sporting recebeu nessa noite o Benfica num jogo fundamental para os encarnados, para quem só a vitória servia para se manterem na luta pelo título. Para os leões havia a hipótese de voltarem ao 4º lugar e claro, um derby é sempre um derby – uma partida recheada de paixão que é fundamental ganhar. Sá Pinto apresentou a seguinte equipa: Rui Patrício; João Pereira, Xandão, Anderson Polga e Insúa; Elias e Schaars (Daniel Carriço 62); Izmailov, Matias Fernández e Diego Capel (André Carillo 89); Van Wolfswinkel (Diego Rubio 73). O Benfica começou melhor perante um Sporting que apostou na tática que vinha sendo habitual perante adversários da mesma igualha – bloco relativamente baixo, grande concentração nas ações defensivas e muita velocidade a sair no contra-ataque. Logo no 1º minuto Anderson Polga foi imprudente e cometeu falta na área sobre Gaitán que André Soares Dias não assinalou. O Benfica dominava mais mas não criava perigo e aos 17 minutos Van Wolfswinkel, após uma saída em velocidade, foi tocado no pescoço por Luisão na área benfiquista. Grande penalidade indiscutível que o holandês transformou no 1-0. 8 minutos depois, em mais uma saída rápida para o ataque, Van Wolfswinkel voltou a sofrer falta na área, agora de Garay, mas o árbitro desta vez não assinalou… O intervalo chegou com 1-0 que premiava o maior pragmatismo e concentração da equipa do Sporting. Na 2ª parte o jogo continuou na mesma toada. Aos 51 minutos Van Wolfswinkel atirou com perigo por cima. No minuto seguinte, após um lance confuso, Insúa salvou sobre a linha aquele que seria o...

1988 – António Morais quebrou invencibilidade do FC Porto

9 de Abril de 1988. Num percurso muito abaixo do exigível no Campeonato Nacional o Sporting conseguiu finalmente dar uma alegria de monta aos seus adeptos na receção ao” já mais” que campeão e até aí invicto FC Porto. O Sporting lutava por um lugar europeu e pela honra numa altura em que a equipa já era treinada por António Morais após o “flop” Burkinshaw. Em Alvalade, com uma assistência numerosa, numa noite fria, os leões alinharam com: Damas; João Luiz, Duílio, Morato e Fernando Mendes; Oceano (cap); Litos, Tony Sealy, Mário Jorge e Lima (Venâncio); Paulinho Cascavel. O Sporting teve uma enorme virtude neste encontro – a rapidez do seu futebol. Jogando sempre em grande velocidade os leões obrigaram o FC Porto a manter-se quase sempre no seu meio-campo. Sem ter sido um grande 1º tempo pertenceram ao Sporting as melhores jogadas e as poucas oportunidades de golo. O FC Porto jogou “do alto do seu pedestal”, deixando (ou sendo obrigado a deixar) o Sporting fazer as despesas do jogo. Os leões inauguraram o marcador no 1º minuto da 2ª parte. Lima conseguiu esgueirar-se pelo seu flanco (esquerdo), foi à linha e cruzou bem para Paulinho Cascavel, que com um remate potente e muito bem colocado ao ângulo superior esquerdo da baliza do polaco Mlynarczyk obteve um excelente golo. 6 minutos depois houve grandes dúvidas na área leonina, com um presumível derrube a Rui Barros, numa das raras escapadelas dos nortenhos para o ataque. Faltavam 16 minutos para jogar quando Mário Jorge marcou um pontapé de canto muito chegado à baliza portista – a bola tocou no peito de...
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.