2019 – Octocampeões nacionais de Natação!

14 de Abril de 2019. A equipa masculina de Natação do Sporting Clube de Portugal sagrou-se neste domingo octacampeã nacional da modalidade no Complexo de Piscinas do Jamor. O conjunto de Alvalade conquistou o título que já não foge ao clube desde 2011/12 e adicionou mais um troféu ao Museu Sporting. No duelo feminino, o Sporting CP terminou na 2ª posição. No final do primeiro dia os leões lideravam com 343 pontos, estando à frente de SL Benfica (315) e FC Porto (274). Este domingo, o Sporting CP continuou em grande e foi controlando e aumentando a vantagem com naturalidade. No final, os atletas de Carlos Cruchinho conseguiram 746 pontos, amealhando uma vantagem de 57 pontos sobre as águias. Em grande destaque estiveram os atletas que disputaram a estafeta de 4×100 metros estilos, que bateram o recorde nacional absoluto ao nadarem em 3m44,22s. Alexis Santos, um dos participantes nessa prova, bateu outro recorde nacional com a marca de 25,44s nos 50 metros costas. A estafeta de 4×200 metros livres tambéu bateu o recorde nacional absoluto ao nadar em 7m26,26s, o que fez cair a marca conseguida pelos leões em 2017 (7m27,46s). João Vital também conseguiu uma marca de registo nos 400 metros estilos, completando a prova em 4m17,76s e confirmando a presença no Mundial que se vai realizar em Julho na cidade sul-coreana de Gwangju. As leoas sagraram-se vice-campeãs nacionais, terminando a prova atrás do Sport Algés e Dafundo, que triunfou pelo terceiro ano consecutivo. O Sporting CP somou 716 pontos, menos 49 que o clube do concelho de Oeiras. Classificação coletiva masculina: 1.º Sporting CP 746 pontos 2.º...

1958 – Campeões Nacionais de Badminton

14 de Abril de 1958. No 2º Campeonato Nacional da modalidade o Sporting sagrou-se Campeão, coroando uma época de sucessivos triunfos. O eterno rival Benfica classificou-se em 2º lugar, tendo os leões batido as águias por 5-2 no último jogo. Os elementos que constituíram a nossa equipa foram René Perlico (cap), Nolasco Silva, José Trigo da Silva, Francisco Lemos, Fernando Pinto e Moreira da Silva. A prova concluiu-se neste dia, data em que o Sporting defrontou sucessivamente o GD Direito e o Benfica. Além destas 3 equipas participaram na competição o Lisboa Ginásio e a Académica de Coimbra. A prova decorreu com interesse, tendo o Sporting confirmado o título do Regional, alcançado pouco tempo antes. Na meia-final os leões venceram o GD Direito por 5-2, triunfando depois na final sobre o Benfica pelo mesmo...

1986 – Título “roubado” ao Benfica

13 de Abril de 1986. O Sporting, de Manuel José, fez uma boa ponta final de Campeonato vencendo os últimos 5 jogos. Na penúltima partida da prova os leões deslocaram-se à Luz para defrontar o Benfica que tinha mais 2 pontos que o FC Porto mas desvantagem no confronto direto. Assim, para os encarnados a vitória seria importantíssima e o empate o menos mau. A derrota poderia ser praticamente o fim das esperanças, se aliada a uma vitória do FC Porto em Setúbal, o que se viria a verificar. Com um Estádio da Luz cheio, numa tarde sol, o Sporting jogou com: Damas; Gabriel, Venâncio, Morato e Romeu; Oceano; Jaime Pacheco, Carlos Xavier (Duílio) e Sousa; Manuel Fernandes (cap) (Mário Jorge) e Meade. O Sporting entrou na partida com uma excelente disposição com vista a vingar a pesada derrota sofrida no mesmo palco poucas semanas antes para a Taça de Portugal. Surpreendeu muita gente a demonstração de classe dada pelos leões desde o apito inicial do árbitro, mas a equipa leonina, mostrando o grande profissionalismo dos seus futebolistas, não veio para este jogo para fazer “favores” a quem quer que fosse, optando, isso sim, por fazer o seu jogo que em diversas fases da temporada se concluiu ter grande potencial. Logo aos 12 minutos começou a desenhar-se a “tragédia” para os encarnados. Na sequência dum passe em profundidade para as costas da defensiva encarnada, Morato arrancou de forma soberba vindo de trás e atirou a contar para o melhor sítio. 12 minutos depois o Sporting aumentou a contagem por Manuel Fernandes, que conseguiu perfurar a defensiva adversária e bateu Bento à...

1980 – Triunfo no derby, na caminhada para o título!

13 de Abril de 1980. 24ª jornada do Campeonato Nacional de Futebol. O Sporting, em luta com o FC Porto pelo título, recebeu o Benfica (que nesta tarde ficou definitivamente arredado). Os leões estavam no 2º lugar, muito perto dos portistas, e perder pontos era proibido. Sob o comando de Fernando Mendes, a equipa: Vaz; José Eduardo, Bastos, Menezes e Barão; Eurico; Fraguito (Lito 75) e Marinho; Manuel Fernandes, Manoel e Jordão. Choveu “a cântaros” em Alvalade. O Sporting realizou uma excelente 1ª parte marcando aos 24 minutos por Jordão e aos 36 por Manuel Fernandes. Para a 2ª parte os leões entraram com a disposição de gerir o jogo e o cansaço, mas os forasteiros reduziram, por Diamantino, aos 78 minutos. Quando as coisas pareciam ficar um pouco “tremidas”, surgiu Jordão (de penalty) a descansar as hostes sportinguistas, aos 81 minutos. Os leões ficaram obviamente satisfeitos com mais um triunfo fundamental na luta pelo título. Algo surpreendentes foram as declarações do benfiquista Diamantino: “Agora só faço votos para que o Sporting seja campeão, era a melhor resposta às bocas nortenhas… E julgo que, depois deste animador resultado podem ganhar nas Antas, que o FC Porto não pratica nada um futebol de outro planeta…”. Na verdade o Sporting não ganharia nas Antas (empatou, porque não o deixaram fazer mais), mas o título foi verde e...

2012 – Grande exibição dos pupilos de Sá Pinto (vs. Jorge Jesus) no derby eterno

9 de Abril de 2012. O Sporting recebeu nessa noite o Benfica num jogo fundamental para os encarnados, para quem só a vitória servia para se manterem na luta pelo título. Para os leões havia a hipótese de voltarem ao 4º lugar e claro, um derby é sempre um derby – uma partida recheada de paixão que é fundamental ganhar. Sá Pinto apresentou a seguinte equipa: Rui Patrício; João Pereira, Xandão, Anderson Polga e Insúa; Elias e Schaars (Daniel Carriço 62); Izmailov, Matias Fernández e Diego Capel (André Carillo 89); Van Wolfswinkel (Diego Rubio 73). O Benfica começou melhor perante um Sporting que apostou na tática que vinha sendo habitual perante adversários da mesma igualha – bloco relativamente baixo, grande concentração nas ações defensivas e muita velocidade a sair no contra-ataque. Logo no 1º minuto Anderson Polga foi imprudente e cometeu falta na área sobre Gaitán que André Soares Dias não assinalou. O Benfica dominava mais mas não criava perigo e aos 17 minutos Van Wolfswinkel, após uma saída em velocidade, foi tocado no pescoço por Luisão na área benfiquista. Grande penalidade indiscutível que o holandês transformou no 1-0. 8 minutos depois, em mais uma saída rápida para o ataque, Van Wolfswinkel voltou a sofrer falta na área, agora de Garay, mas o árbitro desta vez não assinalou… O intervalo chegou com 1-0 que premiava o maior pragmatismo e concentração da equipa do Sporting. Na 2ª parte o jogo continuou na mesma toada. Aos 51 minutos Van Wolfswinkel atirou com perigo por cima. No minuto seguinte, após um lance confuso, Insúa salvou sobre a linha aquele que seria o...

1928 – Campeões Regionais de Futebol pela 6ª vez

8 de Abril de 1928. Neste dia o Sporting conseguiu o seu 6º título de Lisboa em Futebol numa finalíssima disputada frente ao Benfica, pois as equipas tinham terminado a prova com os mesmos pontos. A equipa leonina, orientada por Francisco Serra e Moura, era já considerada pelos mais atentos como sendo superior, o que se veio a confirmar perante uma numerosa assistência. O Sporting jogou com: Cipriano; António Penafiel e Jorge Vieira; Martinho de Oliveira, Serra e Moura e Matias; João Francisco, Abrantes Mendes, Jurado, Cervantes e José Manuel Martins. Apesar de o Benfica ostentar algum domínio territorial no decorrer do 1º tempo, a equipa sportinguista esteve muito segura na defesa, e as suas valiosíssimas unidades da frente de ataque conseguiram fazer estragos. A certa altura Cervantes apoderou-se da bola, passou-a (por cima da cabeça de Simões) a José Manuel Martins, e este, internando-se no terreno, desferiu um belo remate enviesado ao ângulo inferior da baliza vermelha, sem qualquer hipótese de defesa para Jacinto. Antes do intervalo os benfiquistas ainda esboçaram uma reação, mas a trave, e um belo golpe de rins de Cipriano inutilizaram as duas boas oportunidades que tiveram para marcar. Para a 2ª parte os verde e brancos entraram a dominar, e logo à passagem dos 10 minutos Serra e Moura fez um ótimo passe a Abrantes Mendes que assistiu com “açúcar” Cervantes, que não falhou a emenda à boca da baliza aumentando a contagem. Decorriam pouco mais de 20 minutos deste período complementar quando Abrantes Mendes fez um golo anulado pelo árbitro, alegando que antes existira falta para penalty. Na respetiva conversão José Manuel Martins atirou...

1990 – Hexacampeões Nacionais de Ténis de Mesa

8 de Abril de 1990. Neste dia, ao bater o Benfica por 5-0 (naquela que era a partida decisiva), o Sporting sagrou-se hexa-Campeão Nacional de Ténis de Mesa (18º título). A equipa foi formada por Chen Shi-Chao (foto), Pedro Miguel, João Portela e Hélder Araújo. Esta foi mais uma excelente temporada para o Ténis de Mesa do Sporting. Tudo começou em Janeiro com o triunfo no Regional feminino. A equipa formada por Luísa Lopes, Margarida Lopes, Ana Plácido e Marta Alexandra terminou invicta a competição. No Nacional as leoas não conseguiram melhor que o vice-campeonato, mas desforrar-se-iam na Taça de Portugal, que conquistaram pela 12ª vez. Também os homens conquistaram a Taça (18ª), numa época em que a nível coletivo os leões brilharam a grande altura. Individualmente Pedro Miguel foi a grande figura. O mesa-tenista verde e branco foi Campeão de Lisboa, Campeão Nacional de seniores (pela 4ª vez) e Campeão Nacional absoluto (pela 5ª vez, batendo o benfiquista Paulo Fernandes, que no ano seguinte já “moraria” em Alvalade). Pedro Miguel ainda foi Campeão Nacional de pares (com João Portela – que sairia no final da época para o Benfica) e de pares mistos (com Luísa...

2024 – Futebol – Sporting-2 Benfica-1 – Um triunfo muito importante num jogo escaldante

6 de Abril de 2024. Estádio Alvalade, 28ª jornada da Liga Portuguesa de Futebol. 48.113 pessoas. Com 1 ponto de avanço e 1 jogo em atraso o Sporting recebia o Benfica para uma partida tida como importantíssima para o desfecho do nosso Campeonato. O Benfica estava praticamente obrigado a vencer, o empate não seria mau para o Sporting (embora ainda tivesse uma deslocação ao Dragão até final) e um triunfo leonino clarificaria de certa forma as contas, pois com 4 pontos de avanço e ainda 1 jogo a menos, o Sporting ficaria com um cenário muito favorável. De acrescentar ainda que este jogo surgiu 4 dias depois de o Sporting eliminar o Benfica da Taça de Portugal com um empate (2-2) na Luz numa partida muito intensa em que os encarnados estiveram ao seu melhor nível da temporada e o Sporting algo aquém do habitual. Perante todas estas premissas adivinhava-se um confronto escaldante. E as coisas começaram a aquecer fortemente logo aos 46 segundos, com uma grande jogada de Pote pela esquerda (passou entre Bah e Florentino), que cruzou para intervenção incompleta de Trubin, e Geny Catamo surgiu na direta a rematar forte para o fundo da baliza – 1-0! Aos 13 minutos, solicitado por Di Maria, Rafa, com algumas possibilidades de êxito, rematou por cima. Aos 26, belo lance de Gyokeres que fez o que quis de António Silva e meteu no meio para a emenda de Trincão, que não foi suficientemente eficaz… Aos 27 minutos Hujlmand sofreu falta de João Neves. Livre perigosíssimo mesmo à entrada da área, com Pote a atirar em jeito por cima –...

1919 – 3-1 em “casa” do Benfica no caminho para o título Regional

6 de Abril de 1919. Foi de grande luta o Campeonato de Lisboa de 1918/19. A equipa leonina começou mal, com uma derrota no Campo Grande frente ao Benfica. Depois ainda voltaria a perder em “casa”, com o Vitória de Setúbal, mas a partir daí ninguém mais “segurou o leão”. No terreno dos benfiquistas, por exemplo, e perante uma numerosíssima assistência, os verdes sairiam vencedores por 3-1 numa partida disputada com grande ardor e vontade de vencer. Alfredo Perdigão era o homem que comandava a equipa, que formou assim: Quintela; Amadeu Cruz e Jorge Vieira; Joaquim Caetano, Artur José Pereira e Boaventura da Silva; Torres Pereira, Jaime Gonçalves, Perdigão, Jusa e Marcelino. O Benfica marcou primeiro mas os leões reagiram de forma enérgica e Perdigão empatou na recarga a um remate à trave. O Sporting continuou a carregar e fez o 2-1 por Jusa, num tiro de longe. Já na 2ª parte Artur José Pereira estabeleceu o resultado final após a marcação dum pontapé de canto. Perdigão, Boaventura da Silva e Artur José Pereira foram os homens mais em foco entre os sportinguistas, e rezam as crónicas da altura que “a arbitragem não foi das melhores…”. Na foto, a equipa que alinhou nessa tarde. Da esquerda para a direita: Torres Pereira, Jusa, Joaquim Caetano, Artur José Pereira, Boaventura da Silva, Jorge Vieira, Marcelino, Amadeu Cruz, Quintela, Perdigão e Jaime...

1981 – 4ª Taça de Portugal em Andebol

5 de Abril de 1981. A final da Taça de Portugal de Andebol (entre Sporting e Benfica) disputou-se no Pavilhão do Restelo num final de tarde de Domingo absolutamente eletrizante. 4.000 pessoas gritaram a plenos pulmões pelas equipas, cujas claques estiveram dispostas frente a frente num confronto magnífico. Só a segundos do final do prolongamento a equipa leonina, beneficiando da sua grande garra, conseguiu chegar ao triunfo. A experiência dos leões foi determinante nos momentos decisivos. Ao intervalo o Benfica vencia por 11-10 num marcador sempre muito equilibrado. O final do tempo regulamentar chegou com 20-20 e no prolongamento os leões chegaram a 24-22. A equipa sportinguista: Carlos Silva (Pedro Miguel); José Manuel (5), Carlos Correia (1), Vasco Vasconcelos (2), Agostinho (1), Miranda (5), Carlos José, Costa (2), Brito, Bernardo Vasconcelos (1) e Franco (7). Quando Vasco Vasconcelos fez o 24-22 a 35 segundos do fim a festa verde explodiu definitivamente. No final as duas equipas abraçaram-se no centro do terreno. Brito (a vedeta) com lágrimas nos olhos, Ângelo Pintado (o treinador – na foto de arquivo) assaltado por felicitações. O técnico referiu: “Como se esperava o jogo foi equilibrado e não muito bom tecnicamente, imperou a emoção e faltou cabeça. O Sporting nunca se deu por vencido nas situações em que esteve em desvantagem e agora vamos tentar a dobradinha. Os jogadores estão todos de...
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.