1986 – 8º título europeu no Crosse com manos Castro a revelarem-se

2 de Fevereiro de 1986. Mesmo sem Carlos Lopes, o Sporting arrecadou o seu 8º título europeu de Crosse. A ausência do veterano campeoníssimo parece ter até estimulado o espírito coletivo da equipa, que dominou totalmente a prova. Quando, logo no início, se viu que os gémeos Castro e Carlos Capítulo iam nos primeiros, começou a acreditar-se em mais um triunfo. Individualmente, os italianos Cova e Panetta combinaram muito bem, acabando por desgastar irremediavelmente Fernando Mamede (3º) e Ezequiel Canário (4º). No final os sportinguistas fizeram mais uma grande festa, até porque antes da prova o professor Moniz Pereira chegou a dizer que renovar o título era missão impossível. Esta competição realizada nas Açoteias, no Algarve, foi uma demonstração de categoria, raça e força dos leões. Um a um os atletas iam cortando a meta a caindo nos braços uns dos outros numa vitória que teve um sabor muito especial. Fernando Mamede estava felicíssimo no final: “Dedico esta vitória aos jovens atletas do Sporting que tão briosamente contribuiram para este êxito. O Sporting apresentou-se sem vedetas, mas muita atenção aos irmãos Castro, porque se continuarem a trabalhar como até aqui sob a orientação do prof. Moniz Pereira, se não se deslumbrarem, vão ser nomes muito grandes do Atletismo internacional. O salto qualitativo que deram do ano passado para este ano foi como da noite para o dia. Fomos 6 irmãos! Estou imensamente satisfeito. Os italianos eram francamente favoritos, não houve bluff da nossa parte ao referi-lo. Estou satisfeito com o meu 3º lugar. O que conta aqui é o coletivo, e fiz uma prova muito tática”. Moniz Pereira, muito abraçado por...

1981 – Campeões Europeus de Crosse pela 3ª vez

31 de Janeiro de 1981. O Sporting alcançou o seu 3º triunfo na Taça dos Campeões Europeus de Crosse. A competição decorreu no hipódromo delle Bettole em Varese – Itália. Carlos Lopes não estava no seu melhor fisicamente, Aniceto Simões mostrava-se um tanto descrente, Rafael Marques estava a 50% e Bernardo Manuel apostado em fazer boa figura. Tudo dependia muito da prestação de Fernando Mamede e do espírito de sacrifício de Carlos Lopes. Na verdade, Fernando Mamede fez uma corrida do “outro mundo”, quase sempre sozinho, sendo de salientar também a última volta de Carlos Lopes, que foi buscar forças que já não tinha para recuperar do 6º para o 4º posto (isto pouco depois de ter gritado para Moniz Pereira que não aguentava mais e iria desistir), contribuindo em boa parte para que os leões não tivessem problemas com a classificação coletiva. E assim, fruto da extraordinária classe de Fernando Mamede e da coragem e companheirismo de todos os outros o Sporting arrecadou mais uma vitória de enorme prestígio para o seu palmarés. Fernando Mamede foi 1º, Carlos Lopes 4º, Aniceto Simões 15º, Rafael Marques 20º e Bernardo Manuel desistiu perto do fim. Para Moniz Pereira a vitória foi natural: “Anormal seria o contrário pois o Sporting possui a melhor equipa de Crosse da Europa. Mamede foi extraordinário, fantástico, correndo como se fosse de outro Atletismo, fazendo 7.000 metros isolado e ganhando com 100 metros de avanço. Carlos Lopes mostrou grande coragem e utilidade, Aniceto Simões teve grande espírito de sacrifício e o Rafael Marques pode ser este ano a grande surpresa do meio-fundo português. O Bernardo Manuel estava...

1983 – Festival leonino no 5º triunfo na TCE de Crosse

30 de Janeiro de 1983. Na Taça dos Campeões Europeus de Corta-Mato, em Lyon, o Sporting colocou os seus 4 atletas que contavam para a classificação coletiva nos 10 primeiros lugares. Fernando Mamede venceu brilhantemente, Carlos Lopes foi 2º, Ezequiel Canário 6º e Hélder de Jesus 10º. Artur Pinto (46º) e Rafael Marques (49º), também fizeram parte da equipa. O Sporting foi demolidor com uma exibição extraordinária dos seus atletas, mostrando possuir indubitavelmente a melhor equipa de clube do mundo em Corta-Mato. Alberto Cova, o chefe-de-fila dos italianos do Pro-Pátria (que ficaram a 39 pontos dos leões), não chegou a incomodar minimamente Lopes e Mamede. Para Moniz Pereira: “Tudo correu como se esperava, pois o Sporting possui a melhor equipa de todas que aqui vieram. A superioridade foi esmagadora, pois dominámos de todas as maneiras e feitios. Ao que parece, para alguns, isto ainda não será suficiente quanto aos progressos do nosso Atletismo, mas julgo oportuno recordar que, anos atrás não tínhamos campeonatos europeus nem recordes europeus. Parece-me que isto é alguma coisa…” Na opinião de Fernando Mamede, o grande vencedor: “Não se pode considerar que tenha sido uma vitória sem história, pois nem sempre estive confiante. Fiquei mesmo um tanto alarmado quando começou a cair aquela chuva gelada de que eu, como se sabe, não gosto muito… Fui particularmente feliz nos primeiros 2 esticões que dei, no 1º em que arrumámos o Cova no qual eu disse ao Lopes para vir comigo, e depois quando o Steve Jones começou a aproximar-se um tanto perigosamente e onde me pareceu a altura de arrumar de vez a questão. Tive sorte, repito, porque...

1982 – Campeões Europeus de Crosse após despique com o Barcelona

30 de Janeiro de 1982. Já começava a tornar-se habitual. Mais uma vez, a equipa de Crosse do Sporting sagrou-se campeã europeia. Nesta 19ª edição da Taça dos Campeões, disputada em Clusone (França), Carlos Lopes foi a grande figura, tendo regressado em pleno às suas jornadas gloriosas não deixando a ninguém hipóteses de lhe disputar o 1º lugar, praticamente desde o princípio, repetindo a façanha de Fernando Mamede (ausente) no ano anterior. Esta foi a mais difícil vitória de sempre do Sporting na competição, pois se Lopes e José Sena (4º) renderam aquilo que deles se esperava, Rafael Marques falhou totalmente devido a uma lesão que se agravou ao longo da prova. Quando tudo parecia irremediavelmente perdido, o que salvou a situação foi a força do jovem Joaquim Pinheiro, que apercebendo-se de alguma debilidade do 3º representante do FC Barcelona, “fez das tripas coração” e ultrapassou-o já à entrada da reta final, alcançando o 16º lugar. Foi esta ultrapassagem que deu a vitória ao Sporting. Pinheiro estreou-se num Crosse internacional numa data que nunca mais esqueceu devido ao seu merecido protagonismo. No final Carlos Lopes afirmou: “Eu apostava a sério na vitória, mas admito que tudo acabou por ser mais fácil do que esperava. Sofri mais pela equipa que por mim, mas o triunfo acabou por chegar e sinto-me imensamente satisfeito”. Os leões venceram pela 4ª vez a competição, agora apenas com 1 ponto de avanço do FC...

2018 – Campeões europeus de Judo!

7 de Dezembro de 2018. Mais um dia grande na História do Sporting Clube de Portugal. A nossa equipa de Judo conquistou a Liga dos Campeões Europeus ao bater na final os russos do Yawara Neva (detentores do troféu) por 3-2 na final do evento realizado em Bucareste. Antes o Sporting já tinha derrotado o Valência por 3-2 e o Edel Weiss por 4-1. Treinados pelo ex-judoca Pedro Soares, os leões garantiram o título no combate de -90 kg, em que o espanhol Nikoloz Sherazadishvili, nascido na Geórgia, venceu Stanislav Retinskii por waza-ari. Os nossos campeões: – Kerlen Ganbold (-66Kg) – Mongólia – David Reis (-66Kg) – Portugal – Odbayar Ganbaakar (-73Kg) – Mongólia – João Fernando (-73Kg) – Portugal – Anri Egutidze (-81Kg) – Portugal – Miguel Alves (-81Kg) – Portugal – Nico Sherazadishvili (-90Kg) Espanha – Jorge Fonseca (-90Kg) – Portugal O Sporting que tinha ficado em 3º lugar nesta competição nas últimas 3 épocas, chegou aos 29 títulos europeus do seu historial, número que fez com que continuasse no 3º lugar na lista dos clubes com mais troféus do velho continente atrás de FC Barcelona e Real Madrid. O facto de ter acontecido no Judo permitiu ao Sporting CP atingir títulos europeus em 5 modalidades: Futebol, Atletismo, Hóquei em Patins, Andebol e Judo. Para além destes 29 troféus, o Sporting CP somavs ainda 1 título europeu no Goalball – modalidade paralímpica. cerimónia do...

Jogo magnífico e bela vitória frente ao Schalke

5 de Novembro de 2014. 286º jogo do Sporting nas Competições Europeias de futebol. Os leões tinham de ganhar ao Schalke para continuar a estar dentro da luta pelo apuramento para os oitavos-de-final da Liga dos Campeões. Depois da hecatombe duma derrota pesada em Guimarães para o Campeonato (e das declarações polémicas do presidente criticando abertamente a equipa no Facebook) havia grande curiosidade para ver o comportamento dos leões perante esta equipa alemã, ainda mais depois do que acontecera 15 dias antes em Gelsenkirschen onde o Sporting fizera uma bela exibição e fora espoliado por uma arbitragem incrivelmente tendenciosa contra. A equipa escolhida pelo técnico Marco Silva: Rui Patrício; Cédric, Paulo Oliveira, Naby Sarr e Jefferson; William Carvalho, João Mário (Oriol Rosell 82) e Adrien; Carlos Mané (André Carrillo 68), Slimani e Nani (Diego Capel 88). A 1ª parte desta partida foi verdadeiramente alucinante. Aos 15 minutos grande jogada de Mané (que surgiu na titularidade em vez do habitual Carrillo) – João Mário não conseguiu a emenda e Cédric rematou para defesa segura do guardião visitante. Logo a seguir, livre lateral para o Schalke (falta escusadíssima de Naby Sarr), bola bombeada para a área e Slimani, na dividida com um adversário, a cabecear para a própria baliza – era o 0-1… O Sporting reagiu bem e chegou ao empate aos 26 minutos numa cabeçada de Naby Sarr (1º golo oficial de verde e branco) após um livre sobre a direita muito bem cobrado por Jefferson. Logo a seguir, grande jogada entre William e Slimani, com o médio-defensivo (em excelente posição) a não conseguir bater Fährmann. Aos 32 minutos Jefferson...

Pela 1ª vez uma equipa portuguesa passou uma eliminatória da TCE de Futebol

8 de Outubro de 1958. Depois de ter triunfado na Holanda por 4-3 (obtendo a 1ª vitória dum clube português num jogo da Taça dos Campeões Europeus de Futebol), o Sporting venceu neste dia em Alvalade o DOS Ultrecht por 2-1, tornando-se na 1ª equipa portuguesa a ultrapassar uma eliminatória dessa competição. A equipa: Octávio de Sá; Caldeira e Joaquim Pacheco; Mendes, Galaz e Diego; Hugo, Ivson, Caraballo (que se estreou oficialmente), Vasques e Morais. O brasileiro Ivson foi o “herói” do jogo bisando aos 49 e 77 minutos. Os holandeses ainda reduziram a 7 minutos do fim por Krommert, numa altura em que a eliminatória estava “mais” do que resolvida. Enrique Fernandez (o treinador leonino) estava satisfeitíssimo no final: “Eliminámos uma equipa de campeões”, enquanto Van der Linden, o melhor jogador da equipas do “país das tulipas”, trocou elogios, referindo que: “Ganharam os melhores”. Depois todos foram comer e beber, confraternizando em pleno estádio. Este foi o 4º jogo e a 2ª vitória do Sporting em jogos das Competições Europeias de Futebol. Foto (arquivo): O atacante brasileiro Ivson em...

2021 – Bicampeãs europeias de Goalball!

3 de Outubro de 2021. A equipa feminina de Goalball do Sporting CP venceu neste domingo, a Super Liga Europeia pela 2ª vez consecutiva, amealhando o 41.º título internacional para o emblema de Alvalade. Na prova, que se realizou em Odivelas, o conjunto masculino foi vice-campeão europeu. A equipa leonina, composta por Maria João Peixoto, Ana Carolina Duarte, Bruna Lourinho, Leonor Silva, Amanda Dennis e Vicky Ago, começou por bater, nas meias-finais, as alemãs do RGC Hansa por 13-3. Na final o adversário foi o FIFH Malmö (Suécia) e, mais uma vez, o Sporting CP não deu hipóteses, goleando por 12-2. Terminada a partida, rebentou a festa no Pavilhão Municipal Susana Barroso, com a formação comandada por Márcia Ferreira a voltar a subir ao lugar mais alto do Goalball europeu. Ana Carolina Duarte, brasileira, não escondeu a emoção: “Estou muito feliz por poder contribuir para esta conquista. Somos Bicampeãs e é muito importante para nós, ainda mais aqui, em Odivelas, levantarmos este título mais uma vez. Sinto muita emoção e gratidão (…) O desporto transformou a minha vida. Fiquei cega aos 12 anos e aos 13 comecei a praticar o Goalball, que devolveu a minha vontade de viver e sonhar novamente. Eu achava que não seria mais capaz de fazer desporto e a minha vida sem o Goalball não é nada. Através do desporto, tive mais autonomia e independência. Todas as pessoas que praticam a modalidade sentem-se muito bem”. Para Ana Carolina Duarte: “O Sporting CP é uma ferramenta de inclusão na sociedade. Ajudou-nos a interagir mais. Faço Goalball desde os 13 anos e já não sou apenas reconhecida...

Um dos “jogos da vida” de Oliveira

29 de Setembro de 1982. Depois de ter perdido em Zagreb por 1-0, o Sporting deu a volta à eliminatória dos 1/16 final da Taça dos Campeões Europeus, triunfando por 3-0 no Alvalade numa noite memorável do treinador-jogador Oliveira (que pouco antes suspeitara da morte do pai – que ninguém lhe comunicou expressamente, mas que ainda assim fez questão em alinhar). O Estádio Alvalade esgotou para apoiar os leões numa noite muito agradável de início de Outono. A equipa: Meszaros; Ademar, Venâncio, Zezinho e Virgílio; Festas; Lito (Carlos Xavier), Oliveira (Freire) e Nogueira; Manuel Fernandes e Jordão. O Sporting entrou na partida sem sofreguidão, apesar de mostrar desde logo uma disposição atacante notória. Exatamente à passagem da meia-hora os sportinguistas marcaram o 1º golo. Ademar subiu bem pelo seu flanco direito e assistiu Oliveira que fintou um, driblou outro, mudou a bola de pé e rematou a contar – tudo em poucos instantes e num espaço exíguo. 6 minutos depois o Sporting passou para a frente da eliminatória. Festas passou rasteiro a Oliveira que furou de forma genial pela defensiva contrária, isolou-se e atirou a contar – o melhor golo da noite. O intervalo chegou com 2-0 e a eliminatória “na mão” dos leões. Para a 2ª parte o figurino do jogo não se alterou apesar dos jugoslavos tentarem responder à noite inspirada do Sporting. Surpreendente, pela beleza e raridade do lance, foi o 3-0 aos 65 minutos. Sobre o flanco direito, perto do vértice da área contrária, Oliveira simulou um remate ao poste mais distante, Jugovic ficou iludido, e o talentoso sportinguista rematou de forma arqueada e suave...

Noite de Campeões frente ao Tottenham!

13 de Setembro de 2022. 2ª jornada da Fase de Grupos da Liga dos Campeões. Após a brilhante vitória em Frankfurt por 3-0, o Sporting recebia no Alvalade (perante cerca de 40.000 pessoas) os ingleses do Tottenham, uma das boas equipas da Premier League (em 2º e sem derrotas). Em trajetória ascendente neste momento da temporada, esperava-se do Sporting uma boa réplica aos fortíssimos ingleses, sendo que, em termos de contas do Grupo, se o empate não seria mau, o triunfo seria magnífico! Antes do início do jogo respeitou-se 1 minuto de silêncio pela morte da rainha Isabel II. A partida começou animada, e logo aos 7 minutos, jogada entre Pote e Marcus Edwards, com o português a rematar para grande defesa de Lloris. O primeiro quarto-de-hora foi de maior pressão dos ingleses, e só a partir dessa altura os leões começaram a ter mais bola. Richarlison ia incomodando, Trincão do outro lado também. Mesmo antes do intervalo, jogada absolutamente incrível de Edwards (baixou o “espírito” de Maradona!), combinou com Trincão e obrigou Lloris a uma defesa milagrosa! O Sporting entrou mal na 2ª parte, falhando alguns passes, e Emerson obrigou Adán a duas defesas. Aos 55 foi Harry Kane a obrigar o espanhol a uma grande defesa. Aos 58 Richarlison rematou perto do poste (foi a pior fase dos leões no jogo). A 2ª parte foi então decorrendo equilibrada e o golo poderia surgir para qualquer dos lados. A equipa do Sporting mostrava-se, no entanto, muito disciplinada taticamente e a explanar exatamente aquilo que queria do jogo. Aos 90 minutos, grande jogada de Pedro Porro, remate potente de...
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.