2019 – Na final da Taça “às costas” de Bruno Fernandes

3 de Abril de 2019. 2ª mão das meias-finais da Taça de Portugal. No Alvalade o Sporting recebia o Benfica depois de ter estado quase “morto” na 1ª mão na Luz (esteve a perder por 2-0) e de ter sido resgatado à vida num livre-direto fabuloso de Bruno Fernandes. Em desvantagem por 2-1 “bastava” aos leões o triunfo por 1-0 para “carimbar” o acesso à final da Taça. A missão era possível mas muito difícil. O Benfica (orientado por Rui Lage) atravessava um excelente momento e não há muito tempo tinha ganho claramente no Alvalade para o Campeonato (4-2)… As declarações que antecederam a partida deram a entender um Sporting confiante. Ao contrário do que diria qualquer treinador daqueles a que estamos habituados, Marcel Kaiser (apesar da desvantagem) afirmou que as hipóteses eram 50 x 50. Os futebolistas do Sporting pareciam imbuídos dum espírito otimista e positivo. Apesar de não estar cheio o Estádio Alvalade estava em “ebulição” com um grande ambiente (que, aliás, as claques tinham prometido antes do jogo). Marcel Kaiser apresentou a seguinte equipa: Renan; Coates, Mathieu e Borja (Diaby 74); Bruno Gaspar (Tiago Ilori 71), Gudelj, Wendel (Doumbia 88) e Acunã; Bruno Fernandes; Raphinha e Luiz Phellype. O Sporting entrou da melhor maneira possível no jogo. Pressionando alto, encostando o Benfica lá atrás (o que surpreendeu toda a gente). Era difícil entrar na zona de concretização, mas os pontapés de canto surgiam e os remate de fora (com algum  perigo) também – Gudelj, Bruno Gaspar, Wendel… Bruno Fernandes, como habitualmente, levava a equipa “às costas” e contagiava os companheiros. Naturalmente o Benfica foi-se recompondo a...

2021 – 3ª Supertaça para as leoas do Râguebi!

2 de Abril de 2021. A equipa feminina de Râguebi do Sporting CP conquistou, esta sexta-feira, a Supertaça ao vencer o SL Benfica no Jamor por 18-5. Foi a 3ª Supertaça conquistada pelas leoas, sendo também a 3ª consecutiva. Num jogo em que dominou quase a todo o tempo, o Sporting inaugurou o marcador graças a um ensaio de Inês Marques aos 10 minutos (5-0). Ainda na 1ª parte uma penalidade da capitã Isabel Ozório aumentou a vantagem para 8-0. No 2º tempo, Inês Marques voltou a faturar aos 41 minutos, passando o resultado de 13-0. O Benfica reduziu a desvantagem através de Sofia Nobre, mas Inês Marques, a cerca de 10 minutos do fim, voltou a pontuar com mais um ensaio. Foi o terceiro da camisola 2 das leoas, estabelecendo o 18-5 com que o dérbi terminou. No final, grande festa do Sporting CP no Jamor depois da conquista de mais um título. Em menos de uma semana, o emblema de Alvalade amealhou o Campeonato Nacional e a Supertaça, ambos na variante de 15. No final, Pedro Leal (o treinador) estava muito satisfeito: “Elas são umas verdadeiras leoas e é isso que pedimos dentro e fora de campo. Gostam muito do Sporting CP e isso sente-se. Não é fácil ganhar uma final no domingo e ganhar outra hoje, com muito pouco tempo de descanso, mas o importante era a cabeça delas. E estando a cabeça delas num bom dia, como se viu hoje, não damos hipótese. Fomos mais fortes do que no domingo e foi muito merecido. Estou muito contente por elas” (…) É incrível porque quando se...

2024 – Futebol – Benfica-2 Sporting-2 – Estamos na final da Taça de Portugal

2 de Abril de 2024. No Estádio da Luz, perante 59.113 pessoas, Benfica e Sporting disputaram o acesso à final da Taça de Portugal após um triunfo por 2-1 dos leões no Alvalade pouco mais de 1 mês antes. As duas equipas que disputam o título de Campeão Nacional nesta temporada não queriam ficar para trás na Taça e proporcionaram uma partida de enorme intensidade. O jogo começou com bola cá, bola lá, e aos 7 minutos os sportinguistas criaram a 1ª jogada de perigo com um desvio de cabeça de Hujlmand após um centro picado de Gyokeres. Aos poucos o Benfica foi ganhando alguma predominância. Aos 10 minutos Di Maria (grande partida) solicitou Rafa com perigo, que rematou para fora. Aos 16 Di Maria libertou em Tengstedt que rematou em “souplesse” à trave!… Aos 20 minutos Aursnes cruzou de forma perfeita para Di Maria proporcionar uma mancha enorme a Franco Israel. Uma vez por outra o Sporting lá saía, mas, sobretudo nesta 1ª parte, raramente conseguiu ligar umas jogadas atrás das outras (ao contrário do que é habitual). Até ao intervalo o Benfica mostrou mais garra mas não criou lances de verdadeiro perigo. Rúben Amorim surpreendeu no descanso ao fazer 3 substituições de uma assentada, com as entradas de St. Juste (Diomande), Matheus Reis (Nuno Santos) e Geny Catamo (Ricardo Esgaio). O Sporting entrou muito bem no 2º tempo. Aos 47 minutos (ainda o Benfica não tinha praticamente tocado na bola) Gyokeres, sobre a direita solicitou Hujlmand, que à entrada da área executou um remate absolutamente fantástico, fazendo um golaço – 0-1! Aos 50 minutos o Benfica conquistou...

1917 – A estreia do Campo Grande na despedida de António Stromp, e as desavenças com José Alvalade

1 de Abril de 1917. Neste dia o Sporting inaugurou as suas novas instalações no Campo Grande. Mas comecemos a história pelo princípio… Nos primeiros anos de existência do Sporting Clube de Portugal o dinheiro não abundava. Por isso José Alvalade agia quase a seu bel-prazer pagando do seu próprio bolso (ou indiretamente do do avô) quaisquer iniciativas que entendesse serem engrandecedoras para o emblema que criara e amava. Esta forma de gerir o clube, de certo modo egocêntrica, iria gerar alguns focos de oposição sobretudo naqueles que a achavam pouco correta e até desadequada para um clube que ganhava cada vez maior grandeza. As critícas não saíam do anonimato, esperando como que um rastilho para fazer explodir a pólvora. Esse rastilho não tardou. A certa altura, muito interessado no plano que concebera para criar o Stadium de Lisboa, José Alvalade mandou demolir a tribuna do campo do Sporting, retirando assim materiais para a construção que tanto ansiava. Este ato desagradou profundamente a maioria dos sócios leoninos que não queriam ver as atividades desportivas do seu clube subordinadas a um novo recinto que não lhes pertencia. Por grande coincidência o Lisboa Football Club, fundado por Diogo de Pina Manique, abandonou os terrenos que ocupava no Campo Grande devido uma crise financeira incomportável. Saiu então à liça o núcleo duro do já tacitamente formado movimento de oposição a José Alvalade constituído por Mário Pistacchini, Júlio de Araújo e Carlos Basílio de Oliveira, que se apressou a tentar o arrendamento do local abandonado. Assim, nos primeiros meses de 1917, o Sporting pôde transferir as suas instalações para o Campo Grande, 412,...

2019 – 7ª Taça de Portugal para o nosso Futsal, no desempate por penaltis, frente ao Benfica

31 de Março de 2019. Pavilhão Multiusos de Gondomar. Final da Taça de Portugal de Futsal, decisão a que o Sporting chegou depois de bater nesta final a 8 as equipas do Belenenses por 2-1 e do Burinhosa por 3-2. No jogo decisivo os leões voltaram a ser melhores e levantaram o troféu depois de derrotarem o SL Benfica no desempate por pontapés de penálti (3-2). O jogo terminou 5-5 no final do prolongamento. A entrada da nossa equipa no encontro não foi a mais feliz, com o Benfica a aproveitar uma perda de bola para inaugurar o marcador por intermédio de Tolrà logo aos 2 minutos. Os tricampeões nacionais tentaram reagir e Cavinato, aos 8 minutos, obrigou Roncaglio a aplicar-se. Contudo, foi o Benfica a marcar novamente, desta feita graças ao remate de Robinho. Com 0-2 no marcador o Sporting CP viu-se obrigado a arregaçar as mangas e ir à procura de outro resultado. Aos 11 minutos, Dieguinho recebeu de Pany Varela, virou-se com um toque e reduziu para 1-2. Logo a seguir, Alex Merlim acertou em cheio no poste, demonstrando que o início menos feliz no desafio não foi exemplo do que se viria a passar na restante partida. Ainda assim, o Benfica reestabeleceu a diferença de dois golos a cerca de 4 minutos do intervalo, com Fernandinho a ter a sorte de estar no sítio certo à hora certa e a só ter de encostar depois de Guitta fazer a primeira defesa. Mas foi o conjunto de Alvalade a estar por cima nos últimos instantes do 1º tempo, tendo Cardinal feito o 2-3 no penúltimo minuto...

1935 – Vitória tranquila no derby eterno

31 de Março de 1935. Decorria o 1º Campeonato da Liga. No Campo Grande, o Sporting recebeu o Benfica (a quem já tinha ganho essa época o Regional) em jogo referente à 11ª jornada da prova. Na altura os sportinguistas estavam no 2º lugar em perseguição ao FC Porto. Sob o comando de Joaquim Filipe dos Santos, os leões formaram com: Dyson; Jurado e Joaquim Serrano; Abelhinha, Rui de Araújo e António Faustino; Rui Carneiro, Vasco Nunes, Soeiro, Ferdinando e Francisco Lopes. Pode-se dizer-se, segundo a imprensa da época, que o Sporting se impôs ao adversário desde os primeiros pontapés do jogo. Aos 25 minutos, de penalty, Rui Carneiro (um jovem que se estreava essa época pelo clube) abriu o ativo, e mais se solidificou a ideia entre os presentes que a vitória, nessa tarde, não fugiria aos verde e brancos. No 2º tempo o Sporting entrou na firme disposição de acabar cedo com as dúvidas, e Francisco Lopes (foto de arquivo – outro valoroso atleta que fazia a 1ª época no clube) alargou a vantagem aos 55 minutos. 2 minutos depois Soeiro (que viria a ser o melhor marcador da prova, com 14 golos) fez o 3-0 e pairou no recinto o espetro de goleada. Os leões mantiveram o domínio, mas foram os forasteiros a reduzir, a 5 minutos do fim, pelo ex-leão Valadas. No final, triunfo do Sporting por 3-1, confirmando que eram os leões o principal adversário do Porto na luta pelo...

1969 – 5º título nacional de Ciclismo (contra-relógio)

30 de Março de 1969. No Campeonato Nacional de Clubes de Ciclismo (em contra-relógio) a prova disputou-se num traçado nortenho (Porto – Vila do Conde – Póvoa de Varzim – Esposende e volta), e serviu para confirmar a superioridade do ciclismo leonino à época. Efetivamente, a equipa do Sporting constituída por Joaquim Agostinho, Leonel Miranda e Emiliano Dionísio venceu a corrida com um confortável avanço de 12 minutos sobre o FC Porto e 14 sobre o Benfica. Foi o 5º título nacional do Sporting na especialidade Já uma semana antes acontecera a 2ª presença e o 2ª título de Joaquim Agostinho (foto) no Campeonato Nacional de Fundo. O benfiquista Fernando Mendes foi o seu principal opositor, mas ficou a 2...

2021 – 3ª Taça da Liga em Futsal, com goleada ao Benfica!

28 de Março de 2021. A equipa de Futsal do Sporting CP conquistou neste domingo a Taça da Liga da modalidade. Na final da prova, no Pavilhão Multiusos de Sines, os leões de Nuno Dias golearam o Benfica por 6-2 (após os triunfos nos quartos-de-final e meias-finais sobre o Portimonense e Fundão – ambos por 4-2). Foi a 3ª vez conquistámos esta competição, depois das vitórias de 2015/2016 e 2016/2017. O Sporting CP entrou em campo com Guitta, Erick Mendonça, Alex Merlim, Pany Varela e João Matos, sendo que o Benfica tentou surpreender com a utilização do guarda-redes avançado logo no 1º minuto, mas sem sucesso. O jogo teve alta intensidade desde o apito inicial, com muito contacto físico e lances disputados no limite. Os encarnados tentaram o golo logo nos minutos inaugurais, mas Guitta respondeu sempre com qualidade entre os postes. Começou a crescer o Sporting CP e isso viu-se na oportunidade de Diego Cavinato para defesa do guarda-redes encarnado. Aos 7 minutos os leões inauguraram o marcador por intermédio de Alex Merlim. O “mago” fez o seu movimento habitual da esquerda para o centro e rematou forte para o 1-0, beneficiando também do trabalho sem bola de Erick Mendonça. Foi o primeiro de muitos momentos de magia em Sines. O duelo continuou equilibrado e Guitta, pouco depois, foi o autor de uma excelente intervenção a negar o empate. Do outro lado, Diego Cavinato podia ter marcado após assistência de Zicky, mas o guardião das águias também defendeu. A cerca de 6 minutos do intervalo o Benfica voltou a colocar o 5×4 e chegou a enviar uma bola...

2021 – Pentacampeãs nacionais de Râguebi!

28 de Março de 2021. A equipa feminina de Râguebi do Sporting CP continua a não dar hipóteses a nível nacional e, neste domingo, voltou a vencer o Campeonato Nacional da Divisão de Honra XV, desta vez na nova vertente de Râguebi de 15 – partida disputada nas Caldas da Rainha. Para conquistar o título as leoas tiveram de vencer, mais uma vez, o Benfica – desta feita por 11-8 num jogo que teve de ser resolvido nas grandes penalidades, depois do empate (8-8) no tempo regulamentar e após o prolongamento. Ao intervalo a formação orientada por Pedro Leal já vencia por 5-3, mas a equipa encarnada ainda conseguiu virar o resultado e colocar-se na frente do marcador. Ainda assim, apesar de ter várias baixas para esta partida, o Sporting CP acabou por empatar, com um drop da capitã Isabel Ozório, e levar o encontro para prolongamento. No prolongamento, Sporting CP e Benfica continuaram empatados com a partida a chegar às grandes penalidades – 3 para cada lado (pontapés desde a linha dos 22 metros) e apenas uma convertida, com a capitã verde e branca a voltar a marcar e a dar mais um título ao emblema leonino. Este foi o 5º título nacional de Râguebi consecutivo para as leoas, o 1º conquistado na variante de 15, depois de no ano passado o campeonato ter sido disputado por equipas de 13 jogadoras e nos 3 anos anteriores em sevens. Pedro Leal, o treinador, mostrou-se naturalmente satisfeito: “Foi um jogo muito renhido, e não foi um jogo propriamente bonito, mas as finais não se jogam, ganham-se. E, felizmente, tivemos a ‘sorte’ – e...

1993 – Bicampeões Nacionais de Voleibol

28 de Março de 1993. Grande espetáculo de Voleibol na Nave do Alvalade. Com a 28ª vitória em 28 jogos os leões garantiram o título de bicampeões nacionais a 4 jornadas do fim com uma vitória por 3-1 sobre o Benfica. 15-10, 16-17, 17-15 e 15-13 foram os resultados parciais desta magnífica partida. A equipa: Nicolai Dankinov, Tzevetan Florov (cap), Wagner Silva, José Gonçalves, Filipe Vitó, Miguel Maia, Teodor Genev, Miguel Soares e Maurício Cavalcanti. Na nave do Alvalade esteve presente uma das maiores enchentes de sempre. O Sporting foi mais enérgico, teve mais discernimento. A equipa do prof. António Rodrigues mostrou-se de forma excecional. Assim que o encontro terminou o recinto foi inundado por uma vaga imensa de espetadores, e só as cuecas ficaram com os jogadores! A festa continuou na cabina onde todos tiveram de ir ao chuveiro e o champanhe encomendado pelo vice Abílio Fernandes começou a jorrar. O treinador António Rodrigues conseguiu aqui o seu 3º título consecutivo (o 1º nas senhoras do Estrelas da Avenida e os 2 últimos no Sporting): “Foi um grande jogo, e este é talvez o meu título mais saboroso pois foi conseguido sem derrotas”. O capitão Florov realizou mais uma grande exibição, sendo o finalizador mais vezes utilizado, com Miguel Maia a tirar o melhor partido da sua experiência e categoria, não parecendo que já contava 34 anos, o que: “É resultado duma paixão muito antiga e muito grande pela modalidade. Conseguimos ganhar porque todo o conjunto funcionou bem”. Miguel Maia, aos 21 anos, já alcançava o seu 6º título nacional (!): “Estou satisfeito. Temos que encarar o futuro...
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.