1982 – Triunfo na Taça de Portugal e 5ª “dobradinha” do Futebol leonino

29 de Maio de 1982. O Campeonato estava ganho. Após uma carreira sem grandes dificuldades na Taça de Portugal, o Sporting encontrou na final do Jamor o Sporting de Braga, treinado por Quinito (que surpreendeu ao apresentar-se de fraque creme e laço castanho, em contraste com as “mangas de camisa” de Allison). A equipa leonina: Meszaros; Ademar, Bastos, Zezinho e Inácio; Virgílio (Menezes); Lito, Oliveira e Marinho (Nogueira); Manuel Fernandes e Jordão. O início da partida não foi brilhante. Ambas as equipas pareceram entrar um pouco receosas, apesar de ser desde logo o Sporting a mais dominadora. Aos 37 minutos o Sporting fez o 1º golo. Jordão conseguiu, pela direita, levar a bola até à linha final centrando depois com boa conta para o interior da área onde surgiu Oliveira a finalizar com categoria, de cabeça. Com este golo muito mudou pois os bracarenses tornaram-se mais afoitos, chegando inclusivamente a criar algumas sensações de perigo junto da área leonina. Aos 56 minutos a entrada de Nogueira revitalizou (e de que maneira) o futebol da equipa sportinguista, que atingiu então momentos muito positivos, equivalentes ao melhor que a equipa fizera durante a temporada e que a tornara campeã nacional. Assim, aos 67 minutos os leões ganharam alguma tranquilidade com o 2-0. Num livre direto, frontal à baliza de Valter, quando todos esperavam o remate de Oliveira, Manuel Fernandes atirou de surpresa, sem balanço, e Valter nem se mexeu – um golaço. 4 minutos depois Lito fugiu em grande velocidade pela esquerda, centrou bem para Jordão, que fintou um adversário e rematou com grande classe para o fundo das malhas. A 4...

2022 – 3ª Taça de Portugal para as nossas futebolistas!

28 de Maio de 2022. Estádio do Jamor, perante 13.894 espectadores, a grande maioria sportinguistas. A equipa principal feminina de Futebol do Sporting CP conquistou a Taça de Portugal pela 3ª vez (em 3 finais) ao vencer neste sábado, o FC Famalicão por 2-1 na final. Até à final o Sporting CP tinha deixado pelo caminho UD Polvoreira (c14-0), Clube de Condeixa ACD (f 2-0), Valadares Gaia FC (c 1-0), CS Marítimo (c 5-0) e SC Braga (c 3-0 e f1-3). A treinadora leonina, Mariana Cabral, apresentou uma equipa com 4 jovens formadas no clube e uma média de idades de 23,5 anos. A nossa equipa entrou muito mal no jogo e demorou a solidificar-se, perante um adversário muito combativo mas também inócuo. A qualidade do jogo chegou a ser confrangedora (talvez o calor, talvez a ansiedade…), mas pouco a pouco o Sporting foi “ganhando terreno” e assumindo, se bem que de forma tímida, as rédeas do jogo. O golo acabou por chegar após 2 cantos quase seguidos, cobrados por Joana Marchão – Fátima Pinto cabeceou no primeiro ao lado e no segundo viu o braço de Vânia Duarte travar a bola. Após indicação do VAR, a árbitra Ana Afonso analisou o lance no monitor e assinalou o penálti. Chamada à cobrança Joana Marchão atirou forte e colocado (com muita competência) inaugurando o marcador. Com o resultado a favor, as nossas meninas soltaram-se mais e foram mais impositivas. O intervalo chegou com 1-0. No início da 2ª parte prevaleceu o equilíbrio. O FC Famalicão procurava aproveitar o espaço nas costas da defesa verde e branca, mas a guardiã Doris...

2005 – 12ª Taça de Portugal para o Andebol leonino

28 de Maio de 2005. Neste dia, no pavilhão de Tondela, o Sporting conquistou a “dobradinha”, ao bater na final da Taça de Portugal o Francisco d`Holanda por 27-26 (nas meias-finais da “final-four” os leões haviam derrotado o Sporting da Horta por 32-30). Foi a 12ª vitória do Sporting na competição, e a 3ª consecutiva. O jogo ultrapassou até as expetativas, muito emotivo, bastante bem jogado. Apesar dos vimaranenses terem começado melhor, foi o Sporting a chegar ao intervalo com uma vantagem de 14-10. Até aos 5 minutos finais, e apesar da maior agressividade dos nortenhos, o Sporting foi mantendo uma vantagem sempre entre os 3 e os 4 golos, mas no período final, com duas exclusões seguidas de Milan Stohr, as coisas complicaram-se e o marcador chegou a 27-26. Então, no último minuto, Pedro Jerónimo perdeu na “cara” do guarda-redes contrário a hipótese de “matar” o jogo. A 3 segundos do fim o Francisco d`Holanda beneficou dum livre de 7 metros. Tchicoulaev, um ex-leão, permitiu a defesa a Miguel Fernandes, mas a dupla de arbitragem mandou repetir (sem razão aparente) o castigo. O guarda-redes sportinguista tornou-se então o herói do jogo ao voltar a defender o livre de 7 metros do seu adversário. O Sporting (orientado por Fran Teixeira) conseguiu assim, na plenitude, os seus objetivos para esta temporada. O capitão Armando Pires referiu no final: “Estou no melhor clube português, e isso é uma grande...

1995 – Tricampeões nacionais de Futsal (3º título)

28 de Maio de 1995. A equipa de Futebol de Cinco (era assim como era mais conhecido o Futsal na altura) do Sporting sagrou-se tricampeã Nacional, a uma jornada do fim, ao bater o Coimbrões por 3-2 em Vila Nova de Gaia. Os sportinguistas saíram de Lisboa no próprio dia do jogo às 9h30 da manhã. Em Fátima encontraram um intenso tráfego e depois a estrada cortada, o que os obrigou a seguir por um percurso secundário. Perto de Minde surgiu um furo num dos pneus do autocarro que transportava os leões. Ainda ninguém tinha almoçado e já se pensava que não se chegaria a horas ao destino. Alugou-se então duas carrinhas. Uma foi com o treinador (Orlando Duarte), o delegado ao jogo e os 10 jogadores (que chegaram a Gaia a 5 minutos do início da partida). A outra com a restante comitiva que já só presenciou metade do espetáculo… Apesar de alguns atletas irem apenas com uma sandes e um sumo no estômago o Sporting entrou muito bem no jogo e chegou rapidamente a 2-0. A equipa local reagiu, e já na 2ª parte alcançou o empate. O Sporting lançou-se então ao ataque para tentar ganhar e garantir já o título, o que aconteceu perto do fim com o 3-2 final da autoria de Leonel Dias. Após o jogo a comitiva sportinguista rumou ao restaurante Martinho da Areosa, no Porto, onde jantou e comemorou por largas horas o tri-campeonato – um feito assinalável, até pelas condições em que foi obtido. E assim se foi construindo a mística de uma modalidade que tantas conquistas tem dado ao clube. A equipa...

1988 – A força da juventude no 7º título nacional de Hóquei em Patins

28 de Maio de 1988. 6 anos depois (e após 5 vitórias seguidas do FC Porto), o Sporting voltou aos títulos nacionais de Hóquei em Patins. O Campeonato decidiu-se na última jornada no pavilhão da Luz num jogo entre Benfica e Sporting (que lutou com o FC Porto por esta conquista). Grande expetativa rodeou o encontro, pois os encarnados não queriam proporcionar o título aos sportinguistas “às suas custas”. O jogo começou equilibrado, tendo o Benfica marcado primeiro, mas o Sporting respondido logo de seguida. A partir daí prevaleceu a astúcia tática de António Livramento, que impondo uma marcação individual não permitiu que os encarnados atacassem com perigo, enquanto os constantes roubos de bola por parte dos sportinguistas lhes proporcionaram algumas oportunidades de golo. A 3 minutos do fim o Sporting resolveu a partida, conseguindo um título merecidíssimo para uma equipa tão jovem e personalizada. No final ainda houve alguns incidentes graves entre a PSP e alguns apaniguados sportinguistas, que na ânsia de vitoriarem os seus heróis derrubaram um das redes da bancada central. A equipa: Gelásio; Paulo Almeida (1), Trindade, João Pedro (2), Pedro Alves e Vítor Fortunato. Também presentes mas não jogando neste jogo estiveram Rui Santos, Campelo, Paulo Jorge e José Carlos. Com esta vitória por 3-1, num jogo em que Pedro Trindade (um hoquista cerebral, de magnífico talento) foi a grande figura, o Sporting terminou a competição com 21v 0e 5d, e mais 3 pontos que o FC Porto. No final António Livramento estava muito emocionado, mesmo em lágrimas, perante uma vitória muito significativa: “Tenho tido muitas alegrias desportivas mas esta foi especial pois foi...

2017 – 2ª Taça Challenge para o nosso Andebol com triunfo claro sobre romenos

27 de Maio de 2017. A equipa de Andebol do Sporting CP deslocou-se este sábado à Roménia para bater o Potaissa Turda por 30-24 e selar a conquista da Taça Challenge. Mesmo com 9 golos de vantagem na bagagem, amealhados em Lisboa (37-28), a formação leonina rubricou um excelente jogo, somando o 25.º título europeu do Clube e o 2º nesta modalidade. Mais experientes e controlados do ponto de vista emocional, os jogadores às ordens de Hugo Canela aguentaram as investidas do adversário nos minutos iniciais e cumpriram, de forma inteligente, a estratégia planeada. Com Matej Asanin em grande entre os postes, os leões chegaram ao intervalo já a vencer – 9-13. De nada valeu aos romenos o apoio (bastante ruidoso, diga-se) de cerca de 2.000 adeptos, já que Ivan Nikcevik, Bozovic e Portela estiveram endiabrados. Após uma fase inicial mais dividida, o 2º tempo acabou por permitir ao Sporting CP a fuga no marcador, fruto da sua maturidade competitiva. O melhor que o Potaissa Turda conseguiu foi reduzir a desvantagem para 2 golos (14-16), tendo os leões optado por gerir a diferença até final, que acabou por ficar selada em 24-30. Depois houve festa rija verde e branca no pavilhão Horia Demian. O Sporting apresentou-se nesta partida com:  Matej Asanin (1) e Cudic; Zabic (3), Pedro Portela (3), Kopco (1), Bosko Bjelanovic, Claudio Pedroso, Carlos Ruesga (1), Frankis Carol, Carlos Carneiro (1), Francisco Tavares (1), Edmilson Araújo (2), Bruno Gaspar (3), Nikcevic (6), João Pinto (2) e Bozovic (6). O treinador Hugo Canela não poupou nos elogios ao plantel verde e branco. “Os jogadores tiveram uma intensidade fantástica,...

2018 – Completo o triplete das nossas leoas do Futebol!

27 de Maio de 2018. Estádio do Jamor. Uma semana depois da final masculina veio, no mesmo palco, a final feminina da Taça de Portugal em futebol. As sportinguistas apresentaram-se como bi-campeãs nacionais e vencedoras da Supertaça. Esta temporada já só faltava juntar a Taça para se atingir a perfeição a nível interno. No percurso até este jogo decisivo o Sporting tinha afastado o FC Parada (18-1), Valadares Gaia (4-1), Futebol Benfica (2-1) e Estoril (1-0 e 6-1). A equipa: Patrícia Morais; Matilde Fidalgo, Mariana Azevedo, Carole Costa e Joana Marchão; Carlyn Baldwin; Tatiana Pinto (Ana Capeta 66) e Fátima Pinto (Nadine Cordeiro 115); Ana Borges, Diana Silva e Sharon Wojcik. Sporting e Braga eram claramente as duas melhores equipas a nível nacional desde o ano anterior, e reeditaram a última final, voltando, de novo, tudo a decidir-se no prolongamento – e a favor do Sporting As leoas tiveram as melhores oportunidades no primeiro tempo, através de Diana Silva, logo aos 9 minutos, com a atacante do Sporting a não conseguir dar a melhor sequência a uma boa jogada pelo corredor esquerdo de Fátima Pinto, e Sharon Wojcik, aos 23, perante um Braga um pouco amorfo quer na definição do último passe quer na finalização. No 2º tempo, as comandadas de Miguel Santos reagiram e estiveram muito perto de marcar – Francisca Cardoso foi a primeira a ameaçar a baliza de Patrícia Morais, com a guarda-redes do Sporting a brilhar entre os postes. Depois entrou Ana Capeta e o futebol sportinguista tornou-se mais vertical e objetivo. No entanto, aos 83 minutos, Francisca Cardoso (novamente) colocou mesmo a bola no fundo das...

2007 – 14ª Taça de Portugal de Futebol, com Liedson a resolver

27 de Maio de 2007. Numa tarde de tempo instável, o Estádio do Jamor encheu para assistir à festa do futebol português – a final da Taça de Portugal. Para chegar a esse patamar da competição o Sporting teve um percurso tranquilo eliminando sucessivamente, e sem grandes dificuldades, União da Madeira, Rio Ave, Pinhalnovense, Académica e Beira Mar. Paulo Bento apresentou a seguinte equipa: Ricardo; Abel, Caneira, Anderson Polga e Rodrigo Tello (Tonel); Miguel Veloso; João Moutinho, Romagnoli (Custódio) e Nani; Liedson e Alecsandro (Yannick Djaló). O Belenenses, equipa de Jorge Jesus, surgiu muito bem “arrumado” em campo (na semana anterior perdera em Alvalade para a última jornada do Campeonato por 4-0) procurando anular os mecanismos perfeitamente adquiridos da equipa do Sporting. Apesar disso, logo nos primeiros instantes, João Moutinho foi abalroado na área belenense mas Pedro Proença não quis assinalar a evidente grande penalidade. O Sporting começou, portanto, bem. A criatividade dos seus homens do meio campo (com destaque para Nani e Romagnoli) criava problemas aos azuis, mas o golo não surgia (ao contrário dos últimos jogos em que os leões marcaram sempre nos primeiros minutos). O Belenenses só saía para o ataque em raros fogachos, os leões eram indiscutivelmente superiores e Alecsandro falhou uma oportunidade soberana aos 35 minutos, optando por uma assistência para ninguém em vez de rematar… No 2º tempo o Belenenses melhorou, conseguiu equilibrar mais as coisas, mas Costinha continuava a ser um dos homens do jogo defendendo tudo (Liedson, Nani e Romagnoli “provaram” a competência do guardião contrário), pois o Sporting continuava a ser a equipa mais perigosa. Tudo poderia, no entanto, ter mudado,...

1956 – 5º Campeonato Nacional de Ténis de Mesa

27 de Maio de 1956. O recinto do Estoril-Praia serviu de cenário à disputa dos Campeonatos Nacionais de Ténis de Mesa que a equipa do Sporting venceu sem contestação, repetindo o feito da época anterior. Efetivamente, os leões venceram todas as partidas que disputaram, triunfando coletivamente. António Osório, Sebastião de Carvalho, Vasconcelos e Sá e Eduardo Osório não deixaram os seus créditos por mãos alheias, e confirmaram a sua superioridade na partida final frente ao Benfica, que venceram por 5-2, com toda a classe. Em termos individuais, António Osório e Aldora Rodrigues (na foto), sagraram-se Campeões Nacionais de pares mistos, enquanto Dina Noura foi Campeã Nacional individual e triunfou também em pares, com Nelly...

2000 – Campeões Europeus de Atletismo em pista

27 de Maio de 2000. Na Taça dos Campeões Europeus de Pista, contra todas as expetativas, o Sporting sagrou-se Campeão da Europa em masculinos, levando a melhor sobre os russos do Lutch que representavam praticamente a seleção do seu país. Vítor Costa (Martelo), Jonas Mattes (Altura), Fernando Alves (Peso e Disco), Carlos Silva (400m barreiras e 4X400m), Francis Obikwelu (100m, 4X100m e 200m), Carlos Calado (Comprimento, 4X100m e Triplo-Salto), Rui Silva (1.500m e 3.000m), Vítor Jorge (400m, 4X100m e 4X400m), Hélder Ornelas (5.000m), Sylvester Omodiale (4X100m e 4X400m), João André (Vara), Rui Palma (110m barreiras), João Pires (800m e 4X400m), Vítor Almeida (3.000m obstáculos) e Filipe Ventura (Dardo) foram os grandes heróis de uma conquista transcendente. Este triunfo foi histórico para a equipa do Sporting. Só na última das 20 provas, os 4X400 metros, se soube que o Sporting seria campeão depois de um incrível despique com a equipa russa, que bateu por meio ponto (105,5 contra 105!). Na última prova, a equipa formada por Carlos Silva, João Pires, Sylvester Omodiale e Vítor Jorge conseguiu o 3º lugar, enquanto os russos se ficaram pelo 2º a 6 centésimos dos checos do Dukla de Praga. Os triunfos individuais: 100m – Francis Obikwelu – 10,23s; 200m – Francis Obikwelu – 20,62s; 4X100m – Sylvester Omodiale, Francis Obikwelu, Vítor Jorge e Carlos Calado – 39,31s; 800m – João Pires – 1m48,10s; 1.500m – Rui Silva – 3m39,82s; 3.000m – Rui Silva – 8m29,99s; e 5.000m – Hélder Ornelas – 13m36,68s. Comovente foi o choro compulsivo de Francis Obikwelu no final, abraçado a Valentina Fedyushina. Talvez por isso mesmo foi o atleta que...
Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.