O jogo da “camisola rasgada”

31 de Janeiro de 2004. O Sporting-FC Porto da 20ª jornada do Campeonato decidiria se os leões se iriam ou não manter na corrida para o título. A equipa de Fernando Santos necessitava deseperadamente duma vitória para se colocar a apenas 2 pontos do rival, e tudo se tornaria possível.

O Sporting alinhou com: Ricardo; Miguel Garcia (Sá Pinto), Anderson Polga, Beto e Rui Jorge; Custódio; Rochemback, João Pinto (Carlos Martins) e Pedro Barbosa; Silva (Niculae) e Liedson.

O jogo (que começou com uma singela homenagem a Miki Fehér) foi muito competitivo, tendo dado a clara impressão que a equipa do Sporting entrou com um nervosismo demasiado. O FC Porto estava invencível no Campeonato, mas um Estádio Alvalade cheio, que vivia talvez o mais importante jogo da sua curta História, impunha ao Sporting a busca incessante da vitória.

Na 1ª oportunidade de que dispuseram os portistas marcaram, na sequência dum pontapé de canto, por Jorge Costa. O Sporting não se atemorizou e tentou impor o seu futebol perante um recúo estratégico da equipa de José Mourinho, que procurava aproveitar a velocidade dos seus dois atacantes.

Mais ou menos a meio desse 1º tempo Deco teve uma entrada duríssima sobre Rochemback mas Lucílio Baptista perdoou-lhe a amostragem do 2º cartão amarelo…

Aos 35 minutos Liedson foi derrubado na área por Vítor Baía (que viu apenas o amarelo quando deveria ver o vermelho). Na conversão do respetivo penalty Rochemback atirou forte, mas à barra. Os leões perdiam assim uma clamorosa oportunidade para empatarem a contenda ainda no 1º tempo, numa partida em que a tática assumiu grande preponderância.

No início da 2ª parte, após 8 meses de ausência, Marius Niculae regressou à equipa e as bancadas entusiasmaram-se. Logo na 1ª vez em que tocou na bola Niculae poderia ter marcado, mas o seu cabeceamento saiu sem direção perante um Vítor Baía completamente desamparado.

O FC Porto ia reagindo e a baliza de Ricardo também corria, por vezes, algum perigo.

Aos 57 minutos Anderson Polga perdeu bela oportunidade ao cabecear rente ao poste. O Sporting entrava no seu melhor período, e os portistas acusavam algum desnorte. Aos 63 minutos Pedro Barbosa isolou-se mas perdeu o ângulo de remate. Sá Pinto entrou então em cena, e mais se agudizou a pressão leonina.

Aos 67 minutos, em luta com um adversário, João Pinto foi projetado contra o muro que separa o relvado do fosso magoando-se gravemente num braço. Houve algum ajuntamento de futebolistas junto ao nº 25 sportinguista, mas como ele estava fora do campo e a ser assistido, o árbitro mandou prosseguir a partida com um lançamento de linha lateral para o Sporting. Rui Jorge executou-o rapidamente para Liedson que foi carregado (aparentemente) na área portista por Paulo Ferreira (Lucílio Baptista devia ter mostrado cartão vermelho ao defesa portista) dando origem à marcação de uma grande-penalidade que Pedro Barbosa transformou, empatando o jogo.

Até final o Sporting dominou claramente o adversário, faltando só o golo da vitória…  A 8 minutos do fim o regresso de Niculae poderia ter-se tornado perfeito, mas o seu remate de pé direito saiu a milímetros do poste.

No final, completamente fora de si, talvez pelo facto de pela 1ª vez sob o seu comando os portistas terem “perdido o norte”, José Mourinho terá, alegadamente, rasgado no balneário portista a camisola de Rui Jorge (que lá tinha ido parar pela mão do roupeiro Paulinho, que a pretendia trocar com a de Vìtor Baía). Para além disso, José Mourinho terá alegadamente dito que “jogadores destes é que deviam morrer em campo” (estava ainda fresca a morte súbita do benfiquista Miki Feher em pleno Vitória-Benfica).

Na sala de imprensa, José Eduardo Bettencourt, administrador executivo da SAD leonina, mostrou a camisola rasgada de Rui Jorge, fazendo graves acusações ao técnico portista, afirmando que existiam provas daquilo que afirmava…

Fernando Santos declarou que “O resultado é uma injustiça. Devíamos ter ganho o jogo. Os nossos jogadores estão de parabéns porque conseguiram ser melhores que este fortíssimo adversário. Demos a resposta certa, e apesar de não termos começado bem rapidamente assumimos o domínio do jogo. O empate não acaba com a nossa esperança. Esperemos que o FC Porto tenha algum deslize…”

O título, ainda mais com a grave lesão de João Pinto, tornara-se praticamente impossível e a realidade é que nunca surgiu nenhuma prova inequívoca que sustentasse as declarações de José Eduardo Bettencourt. Ainda assim, para sempre, este ficou como “o jogo da camisola rasgada”…

vídeo

Post to Twitter

Submit a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Confirm that you are not a bot - select a man with raised hand:

Content Protected Using Blog Protector By: PcDrome.